Home Artigos Hardware A Blackmagic Cinema Camera revisitada

A Blackmagic Cinema Camera revisitada

Após vários meses de espera angustiante, os primeiros compradores da Blackmagic Cinema Camera finalmente começaram a receber as suas câmeras. O que mudou nesse tempo?

A fila ainda é grande, e há muitas reclamações de compradores frustrados que aguardam suas câmeras no site da Blackmagic. A questão para muitos é: a espera vale a pena?

A BMCC não começou muito bem. A câmera atraiu muita atenção por oferecer filmagem em RAW a 12bits com 2.5K de resolução a um preço inédito: US$ 3.000,00. E isso ainda incluindo a versão Full do fantástico programa de correção de cor DaVinci Resolve, que por si só custa US$1.000,00.

Ou seja, com certeza o melhor custo-benefício do mercado. Só que esse preço posicionou a câmera em uma faixa de mercado que não é necessariamente a mais habilitada a operá-la – a dos usuários de HDSLRs.

Isso causou muita confusão, pois nas fotos parece uma câmera compacta, perfeita para ser operada na mão como uma Canon 5D ou similar. Na prática, porém, a câmera é grande, não tem empunhadura nem botões físicos dedicados às funções mais básicas e conta com vários itens de desenho duvidoso, como uma bateria interna não cambiável que dura apenas 90 minutos.

Para funcionar necessita de baterias externas, um rig relativamente complexo e um tripé bem maior e mais parrudo que os geralmente usados com HDSLRs. A câmera também filma em drives SSD no lugar dos cartões de memória do tipo SD ou CF. Estes últimos, usados nas HDSLRs,  são baratos e fáceis de encontrar enquanto que os primeiros são caros e mais complicados de achar.

CintoBateriaNRG
Um cinto de baterias como este da NRG pode ser uma
boa alternativa para alimentar a BMCC.

Além disso, filmando em RAW, 1 hora de material ocupa 1 TB de armazenamento em SSD. Com um preço médio de R$ 1.800,00 (no Brasil) por cada SSD de 512 GB, cada hora de captura na câmera sai por cerca de R$3.600,00. Só que esse material tem que ser passado para HDs normais por medidas de segurança e economia.

Considerando que não é nem um pouco prudente ter menos que um backup do material original, são necessários 2 TB a mais para cada hora de material original capturado. Sem contar o espaço necessário na edição.

Sendo uma câmera voltada para profissionais, ela não conta com saída HDMI para monitoração externa, mas com com conexão HD-SDI. Daí ser necessário um monitor mais sofisticado ou um conversor de SDI para HDMI para a utilização de monitores externos no set.

Juntando os custos de armazenamento com os dos acessórios necessários para um funcionamento mínimo da câmera, o barato acaba saindo bem caro e a câmera da Blackmagic certamente não se encaixa nos padrões do típico usuário de HDSLRs.

Vale explicar que a BMCC também filma em ProRes 4:2:2 e DNxHD, utilizando bem menos espaço de armazenamento. Mas, filmando nesses formatos, você não só perde os benefícios de filmar em RAW como fica limitado a 1920 x 1080 em 10 bits. No entanto, essa pode ser uma alternativa boa para projetos que não exijam o máximo de qualidade e/ou versatilidade.

A câmera da Blackmagic nas mãos de Philip Bloom.
Um bom fotógrafo faz toda diferença.

Outro fator que desagrada esses usuários é o tamanho do sensor, com um fator de crop de aproximadamente 2.4 x em relação a um sensor full frame de uma HDSLR como a Canon 5D ou a Nikon D800. O que isso significam na prática, é que as lentes se tornam mais longas (uma 50mm vira uma 120mm) e aquele desfoque cinematográfico típico das HDSLRs fica muito mais difícil de conseguir.

Para piorar, além da demora para entrega e o custo real elevado, a câmera apresentou vários problemas em seus primeiros exemplares. Sensores não passaram no controle de qualidade da Blackmagic, apresentaram problemas de clipping (quando uma imagem “estoura’ no branco, aparece um ponto preto) e a compatibilidade com as lentes Canon provou não ser tão boa assim.

E ainda tem o fato de que os primeiros vídeos feitos com a câmera apresentaram resultados muito duvidosos. Imagens nem um pouco cinematográficas que mais pareciam  ter saído de câmeras de vídeo com sensores pequenos – muito feias, mesmo, para os padrões atuais.

Além disso, as filmagens em RAW obrigam a um esquema bem mais complicado na pós – daí a inclusão do Resolve no pacote. Não é um brinde, e sim um componente necessário para se trabalhar com essa câmera.

Levando em conta esses fatores, muitos têm se perguntado: “Essa câmera vale mesmo a pena?”.  A resposta não é tão simples assim mas, resumindo, nas mãos certas e nos projetos certos, vale muito a pena! Porém, não é uma câmera de uso geral como uma HDSLR, portanto  seu uso é mais indicado para um certo tipo de usuários, como discutiremos abaixo.

A BMCC, nas mãos de profissionais capacitados, é uma ferramenta maravilhosa. A qualidade da imagem pode chegar a um nível nunca antes obtido nessa faixa de preço – e nem bem acima. Mas é uma câmera que não perdoa.

O vídeo abaixo é um bom exemplo. Tem a maior cara de ter sido feito em câmeras de vídeo medianas, com altas luzes estouradas e uma textura bem pobre.

Um exemplo de um vídeo que mostra que a BMCC pode ter
uma imagem inferior quando mal utilizada.
Repare nos brilhos estourados e imagem geral com cara de vídeo.

Agora compare com o vídeo abaixo, que já é totalmente cinematográfico.

Como uma mesma câmera pode gerar resultados tão diferentes? A resposta é simples: o nível dos profissionais por trás da câmera e da finalização.

Filmar em RAW torna a presença de um bom colorista no projeto inevitável. Não é qualquer um que pode pegar a imagem crua da câmera e transformá-la em algo belo, condizente com o objetivo inicial do projeto. E a fotografia correta também exige um profissional qualificado.

Quando esses dois quesitos são preenchidos, a câmera surpreende com imagens fantásticas, como as do vídeo abaixo.

Outra coisa que se deve ter em mente é que a BMCC não é uma câmera do tipo “apontar e filmar”. Assim como uma RED ou uma ARRI Alexa, ela exige um certo nível de preparação para cada cena. Os ajustes são feitos através de menus, em diversas camadas e, embora ela tenha entradas para audio, para se obter qualidade profissional é necessário um gravador externo.

É, portanto, uma câmera ideal para a produção que ofereçam tempo suficiente para que haja um preparo para cada tomada. Como filmes de dramaturgia, séries para televisão, clipes musicais, comerciais, institucionais com orçamento razoável e alguns tipos de documentário. Também é uma câmera perfeita para efeitos especiais envolvendo chroma key e filmagens em estúdio, em geral.

Não é uma câmera ideal para a filmagem de eventos corridos como casamentos, documentários do tipo “guerrilha”, ou produções de baixo orçamento que não ofereçam o tempo necessário para uma fotografia bem cuidada e uma pós mais sofisticada.

Outra coisa: a câmera não “enxerga no escuro” como a Canon 5D Mark III, por exemplo. Ela foi projetada para trabalhar em condições de iluminação mínimas para uma produção bem cuidada. Não pense que um painelzinho de LED em cima dela vai ser suficiente. Já vá pensando em instrumentos profissionais de iluminação se desejar obter qualidade verdadeiramente cinematográfica.

Quem está acostumado com as HDSLRs da Canon, por exemplo, também deve levar um fator importante em consideração: a qualidade das lentes. Nestas câmeras, a resolução é de 1920 por 1080, mas a definição é relativamente baixa e praticamente qualquer lente funciona. Na câmera de cinema da Blackmagic  a definição é bem maior. Portanto, para se obter as melhores imagens são necessárias lentes de alta qualidade capazes de fazer jus à definição real da câmera.

Uma das vantagens de filmar em RAW é a incrível latitude de cor.

Uma boa notícia para aqueles que se preocupam com a “moda” dos 4K  (leia as matérias aqui) é que testes mostram que o material da BMCC filmado em 2.5K produz resultados ótimos quando convertido para 4K.

Resumindo, a Blackmagic Cinema Camera tem o potencial de oferecer um nível de qualidade inédito para um equipamento nessa faixa de preço. Mas não é uma câmera para iniciantes. É um equipamento verdadeiramente profissional que exige profissionais experientes para tirar o máximo proveito.

Como adoramos fazer analogias com carros, pense na BMCC como um carro de corrida. Quem já dirigiu um sabe que não é fácil. Um motorista normal geralmente nem consegue sair do lugar, muito menos dominar a potência disponível sem rodar na pista ou sofrer um acidente.

E, se conseguir se locomover, provavelmente o fará a uma fração da velocidade máxima que o veículo oferece. Mas mãos de um piloto experiente, bem treinado e condicionado, o céu é o limite.

Nas mãos de amadores ou profissionais inexperientes, a BMCC é capaz de gerar resultados medíocres, piores que de câmeras de vídeo tradicionais mais antigas e certamente bem piores do que as HDSLRs disponíveis no mercado.  Mas, nas mãos de cineastas experientes, contando com a equipe certa e orçamento razoável, a câmera da Blackmagic é capaz de gerar imagens de altíssima qualidade que se presta, tranquilamente, para a produção de cinema digital de alto nível. Podendo, inclusive, em termos de qualidade final de imagem, competir com as câmeras da RED.

Portanto, se você está de olho em uma dessas câmeras, esqueça do preço baixo inicial. Você vai precisar de baterias externas, um rig para poder filmar na mão, drives SSD, etc. Mesmo assim, o preço final ainda sai bem mais acessível que uma câmera de dezenas de milhares de dólares necessária para obter qualidade semelhante.

Mas isso não é o mais importante. Seja humilde e realista. Você é um profissional experiente que entende bastante de fotografia, exposição, faixa dinâmica, e tem conhecimento prático de iluminação e níveis de sinal? Você conta com uma estrutura realmente parruda de pós-produção com a participação de um colorista experiente? Essa estrutura inclui computadores de última geração capazes de trabalhar com imagens sem compressão com altas taxas de transferência e capacidade de armazenamento de dezenas de terabytes (para produção de documentários e dramaturgia)? Essa estrutura conta com monitoração adequada e programas de edição de última geração?

Se você respondeu, com total honestidade, afirmativamente às questões acima, então a BMCC pode ser uma ferramenta fantástica em suas mãos. Senão, você provavelmente obterá resultados melhores com uma HDSLR ou outra câmera mais tradicional.

Para finalizar, a BMCC é atualmente oferecida em duas versões: com bocal para lentes Canon EF e conexão eletrônica e com bocal para lentes MFT (micro 4/3) sem conexão eletrônica. Na primeira versão você também pode utilizar outros tipos de lentes com adaptadores, assim como nas HDSLRs Canon.

Na versão MFT você pode utilizar ainda mais lentes, incluindo as específicas para o formato MFT e praticamente qualquer outra com adaptadores, incluindo lentes PL. Mas, sem a conexão eletrônica, fica difícil usar lentes que não possuam controle de diafragma manual, o que exclui uma boa parte das lentes modernas Canon e Nikon.

Gostou do artigo ?

Inscreva-se em nossa Newsletter para receber as atualizações do VideoGuru.

Artigos relacionados
12 4810

O cinema digital nunca viveu um período tão interessante. Se a câmera de cinema digital chinesa iniciou a revolução dos preços baixos, foi a Blackmagic que venceu a corrida e lançou no mercado as verdadeiras câmeras revolucionárias. Agora...
30 5843

Eles são a última novidade do mercado. Monitores bem mais largos que o normal e que oferecem muito mais espaço para trabalhar. Além disso, são perfeitos para reproduzir filmes em formato cinemascope. Com um desses monitores você consegue praticamente o...
54 comentários Nesse post
  1. Grande Paulo, sempre sensato e claro nas observações. Nosso Philip Bloom!!! rsrsrsr Parabéns!

    • Obrigado, Ponichi. Mas acho que, como fotógrafo, você está mais próximo do Philip Bloom do que eu.

      Para quem não conhece o Rodrigo, ele é diretor e produtor de cinema e televisão e um dos pioneiros no uso da Canon 5D MkII no Brasil. Sou colorista da série de TV Chuva de Arroz (GNT) que ele produz, dirige e fotografa, além de ter feito outros trabalhos com ele. O rapaz realmente sabe tirar o que há de melhor de uma HDSLR e, com certeza, nos projetos certos, faria muito bonito com uma BMCC nas mãos.

  2. Concordo com tudo, menos com uma coisa. A de que pra ter experiência com um equipamento “diferente” tem que ter antes uma alta estrutura. Muita gente com muitoooo menos em termos financeiro e estrutural, obtém melhores resultados.

    • Desculpe, mas não entendi… Pode me explicar onde foi dito que para ter experiência com um equipamento “diferente“ é preciso isso? O artigo se refere a um equipamento específico e, acredite, tem muita gente quebrando a cara achando que só o corpo da Blackmagic basta. É só visitar os fóruns pra ver a quantidade enorme de insatisfeitos que compraram a câmera achando que é uma qualquer. O maior número de reclamações vem justamente de pessoas que não querem aceitar que a câmera requer um fluxo de trabalho diferente, um investimento maior em acessórios que o preço dela própria e um conhecimento maior que o necessário para operar uma câmera de vídeo comum. Sem contar um computador bem parrudinho se desejar usar o Resolve.

      O mais irônico é que os insatisfeitos colocam a culpa na câmera em si ou no fabricante. Só que o problema está na falta de preparo deles próprios. A BMCC está sendo usada com sucesso na produção de longas, curtas, publicidade, séries de TV, etc. E tem sido usada como segunda câmera em diversas produções de alto orçamento junto com a ARRI Alexa. Dizem que as duas casam muito bem. Mas para se obter esse nível de qualidade é preciso ter uma estrutura por trás. Aí, quando as pessoas não conseguem e ficam frustradas, colocam a culpa no equipamento.

      Ninguém disse que sem recursos não é possível realizar algo bom. Muito pelo contrário. Acredito seriamente que o talento vale mais que qualquer equipamento. Já vi coisas medonhas saírem de uma Alexa porque o fotógrafo achou que a câmera bastaria, sem ter a experiência ou talento necessários para operá-la. Por outro lado, já vi coisas geniais feitas com uma mini DV, sem orçamento algum. Já vi filmes rodados em uma Canon t2i darem um banho em filmes rodados em uma 5D Mark III. Talento não tem preço. E achar que comprar uma câmera top é o suficiente para fazer um bom filme é um dos erros mais comuns nos dias de hoje, ainda mais com os preços ridiculamente baratos dos equipamentos de qualidade.

      Um equipamento de alta qualidade nas mãos de quem tem talento é uma ferramenta fantástica. Mas temos que usar as ferramentas certas e ser realistas, mesmo quando nosso trabalho consiste em fabricar sonhos. Cada tipo de equipamento requer um investimento tanto financeiro quanto pessoal. Se a pessoa não tem condições de usar uma RED, não há vergonha nenhuma em usar uma HDSLR ou uma Sony. Mas não se pode fugir da realidade quando se trata de certos equipamentos, senão o resultado fatalmente será uma decepção. E a realidade é que a câmera da Blackmagic é uma ferramenta fantástica, só que necessita de um investimento maior que o preço do corpo. E disso não há como escapar.

        • Amigo, me desculpe mas o cara do vídeo repete exatamente o que nós falamos. Que a câmera precisa de baterias (se você prestar atenção, a dele está ligada na tomada), de uma pós mais sofisticada, de planejamrnto antes de filmar, etc. E ele deixa bem claro, mais de uma vez, que não é uma câmera para qualquer um. Você não entende bem inglês?

          Agora, se você não quer acreditar nele nem em nós, e nem nas dezenas de compradores que descobriram isso por conta própria, aí é com você…

          • Tudo bem amigo, concordo que é uma câmera mais dificil de usar. Mas tou adorando !!! hehehe

          • Ela é maravilhosa! Como trabalho como colorista com todos os tipos de câmeras, fico surpreso como ela se aproxima da qualidade da Alexa e das RED. Em breve faremos uma resenha dela.

            Aliás, um bom macete para obter boas imagens com ela é expor para cima. Ou seja, utilizar as zebras em 100% e ir fechando o diafragma até elas sumirem (a não ser em situações onde a superexposição é desejável ou inevitável). Assim como as RED e a Alexa, se você trabalha com ela muito no escuro ela fica um pouco ruidosa e perde latitude. Mas se expõe usando toda a latitude possível, aí fica muito bom de se obter o efeito desejado na pós. Por causa da latitude bem maior que das outras câmeras na sua faixa de preço, isso vai de encontro com a tradição de expor para baixo para evitar a perda de sinal nas altas luzes.

            Você viu o teste de definição que postamos entre ela, a RED Scarlet e a Canon C500?

  3. Oi Paulo, boa tarde

    Preciso fazer um doc e quero comprar a Black Magic Poket. Qual é uma lente digna que posso comprar para ela? A Samyang o foco é manual, certo? Eu não entendo muito de ajuste de foco e pensei em comprar uma Samyang (porque é mais barata e boa) e uma com foco automático.
    RESUMINDO: Qual é a lente que posso comprar para a Black Magic Poket de foco automático?

    Obrigada e aguardo breve retorno (se quiser eu te ligo, coloque o número no meu e-mail)
    Rosemeire

    • Rosemeire, a Blackmagic não faz foco automático contínuo. Mas a Pocket foca quando você pressiona o botão de foco, com uma lente eletrônica. Para ela, uma lente excelente é a Panasonic Lumix G Vario 12-35mm 2.8. Não é uma lente barata, mas é excelente e muito versátil. A Samyang é de foco totalmente manual.

  4. Obrigadão Paulo! Eu tenho um orçamento curto, no meu bolso cabe a Black Magic Poket, mas a Lumix G Vario 12-35mm 2.8 eu preciso ver…
    Me ajudou muito mesmo, gostei do blog, vou virar seguidora…

    Anotei no nome da lente, vou pesquisar.

    Até mais

  5. FIQUEI COM UMA DÚVIDA: Eu consigo fazer um doc só com a câmera e com o foco embutido dela? Não quero que fique com cara de filme “quintal da minha casa” é amador, mas tem que ter dignidade, então seria melhor eu acoplar uma lente certo?

    Obrigada e aguardo retorno,
    Rosemeire

    PS: Meu professor falou que a Samyang é fantástica, mas esqueceu de dizer que é manual e ele tem mais de trinta anos de carreira.

    • Rosemeire, a Pocket vem sem lentes. Você vai precisar de uma de qualquer maneira. Foco automático dificilmente dá resultados profissionais. Você pode tranquilamente usar uma lente com foco manual, pois existem funções que ajudam você a focar. Pelo menos a Pocket, quando usada com lentes de foco automático, não utiliza o método contínuo e permite que você foque pelo botão de foco só quando for necessário.

  6. Oi, um amigo me indicou uma lente da Canon, mas ele não sabe se tem ajuste para a Poket é a t5i lente 18 – 200.
    Meu problema é o ajuste manual que tenho insegurança, a Samyang é manual, mas é difícil ajustar? Qual é a exatamente a lente Samyang que seria boa para a Poket?
    Estou pesquisando preços e a relação custo-benefício, mas na hora de gravar um doc, se eu não dominar o foco, perco a naturalidade de todo um trabalho. Por isso meu desespero, vi o preço da que me indicou é cara para mim no momento.

    • Rosemeire, essa lente só funciona na Pocket com um adaptador bem caro. Além disso, por ser uma lente sem abertura constante, não é a mais indicada para vídeo.

      Levando em conta as suas restrições financeiras, não creio que a Pocket seja a câmera ideal para você, pois vai precisar de cartões SD rápidos, baterias extras, etc. Talvez fosse melhor você investir em uma canon EOS M, que custa bem mais barato, é bem compacta e tem qualidade de imagem muito boa. Segundo um colega que acaba de comprar uma, filma melhor que uma 5D Mark II (eu ainda não experimentei).

      Como você não tem muita experiência, é provável que se sinta mais confortável com A EOS M do que com a Pocket. E as lentes e acessórios para ela custam bem mais barato.

  7. Oi.
    Eu vou pesquisar viu, porque eu achei que fosse comprar no exterior a pocket, mas estão me colocando tanto empecilho no preço da libra (porque a pessoa vai para a Inglaterra), que ia comprar aqui no Brasil por um valor muito alto. Acho que vou seguir o conselho de seu amigo.
    Fora a câmera EOS M eu preciso investir em qual lente, cartões e baterias? Seu amigo comprou no exterior ou aqui?
    Agradeço muito a sua ajuda e desculpe o transtorno, gosto de saber e pareço criança japonesa perguntando tudo.
    Tem me ajudado muito, valeu mesmo!

    • Pode perguntar sem problemas, Rosemeire. Estamos aqui pra isso. O número de cartões e baterias depende do que você pretende filmar. Seria bom você ter pelo menos 2 cartões de 16 GB e umas 4 baterias. Mas, se for filmar eventos, o ideal seriam dois cartões de 32GB.

      Quanto à lente, depende também do que você vai filmar. A câmera pode ser adquirida com a lente kit, que já quebra um galhão. Ela só não é boa para filmar em ambientes muito escuros sem iluminação.

  8. Eu pesquisei esta que me falou. A moça da loja on line disse que grava 40 minutos em Full HD e depois eu tenho que recarregá-la. Para um doc. é pouco, mas realmente eu resolvo meu problema de câmera, lentes e cartões e não dá para ter tudo em uma câmera só.

    • Você não precisa recarregá-la, mas apenas apertar o botão de gravar novamente. A capacidade total depende do cartão usado. E a vantagem é que você pode usar cartões classe 6 ou 10, que são bem mais baratos e fáceis de encontrar.

  9. Olá, Paulo
    Amanhã ou no máximo até segunda-feira foi comprar, quando fiz a busca apareceu Canon EOS REBEL t3i em um site de compras internacional. A MÁQUINA É EXATAMENTE ESSA? Olha que vou bater o martelo… Ah, em ambientes escuros eu consigo arrumar a imagem na pós-produção? É mais fácil escurecer o que está claro do que clarear o que está escuro, certo?
    Um amigo disse que melhor que a 5 D na opinião dele não é (ele quer comprar uma 5 D rsrsrs), mas faz trabalhos bons a t3i. Vou comprar, fazer uma oficina para entender mais e depois quem sabe a pocket. Eu quero trabalhar com roteiro e pesquisa, então a parte técnica eu sabendo um pouco também ajuda…
    Eu achei este kit que talvez compense:
    http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-525982368-canon-eos-rebel-t3i-lente32gb-classe-10bolsatripe-_JM
    Obrigada!
    Rosemeire

    • Rosemeire, a T3i não tem nada a ver com a Canon EOS M que eu recomendei! Ela já está duas gerações defasada. O modelo atual é a T5i. Mas a M é outro modelo ainda, bem mais compacto e com tecnologia bem diferente.

      Nunca filme nada pensando em consertar na pós. Isso é um péssimo hábito que muita gente está fazendo. Sou colorista e sei bem o quanto se pode consertar um material. E, com essas câmeras mais baratas, o que posso dizer é que cada conserto resulta em outros problemas – ainda mais para quem não está equipado para isso. Quem está cobra bem caro e, mesmo assim, não existem milagres. O ideal é filmar da melhor maneira possível. Tentar clarear o que está escuro revela muito ruído. Quanto ao claro, se você deixar a imagem estourar (perdendo os detalhes na parte mais clara), é impossível consertar. Câmeras digitais com a latitude das HDSLRs exigem que você exponha bem, senão ou perde para sempre detalhes nas sombras ou nos brilhos.

      Dê uma olhada nesse artigo. Acho que vai ser bem útil:
      http://www.videoguru.com.br/deixa-que-consertam-na-pos.html

      Seu amigo está certo – a 5D é superior à T3i. Eu recomendei foi a M.

      Quanto a à oficina, dou a maior força. Você pode aprender muita coisa útil que vai te ajudar bastante a tirar o melhor proveito da câmera. Mas procure uma boa oficina, pois tem muita enganação no mercado.

  10. Paulo, é uma imensa satisfação ler seu artigo. Sou amador na arte cinematográfica, apenas mais um apaixonado pelo assunto como tantos outros Brasil afora. Meu trabalho (profissão) é totalmente fora do meu hobby (filmar), sou piloto de helicópteros e trabalho numa empresa que opera na amazônia. Tenho muita vontade de contar as coisas que vejo ocorrendo por lá, e sempre estou no local certo, na hora certa e, até bem pouco tempo, sem o equipamento certo para registrar. Adquiri uma 5D Mark iii, que veio com kit de lente 24-105mm f4, que é considerada ´escura´. Minha primeira pergunta, com essa lente vou obter bons resultados em vídeo? Os resultados ´cinematograficos´ (cara de filme )que vejo em alguns curtas postados no youtube. são em razão do magic lantern ou alguma outra coisa? Ou dependem mais da pós produção? Adoraria comprar uma BMCC, mas fiquei justamente com medo do tal ´workflow´ que ela demanda de pós (principalmente), mas ainda não descartei a possibilidade de, ainda assim, adquirir uma BMPCC, até porque o software (DaVinci) que vem com ela já é o preço da câmera. Bom, desculpe a abordagem um tanto descuidada, mas isso é em razão de realmente querer aprender e aplicar e, se puder ter ajuda de alguém como você, ficarei grato.

    • Adalberto, seu trabalho deve ser muito interessante. Acho ótima a idéia de documentar tudo. A 5D Mark III é bem sensível no escuro, portanto a lente f4 não é escura para ela. E, de dia, não faz absolutamente diferença alguma. Fique tranquilo que você vai obter ótimos resultados. O que eu aconselho seria o investimento em um microfone como o Rode VideoMic para você obter um audio melhor.

      A 5D já vai lhe dar um resultado bem mais cinematográfico que uma câmera de vídeo normal. Mas o que você chama de cinematográfico depende de uma série de fatores que vão desde a exposição bem cuidada até a pós com um tratamento de cor adequado. Alguns desses fatores dão trabalho, outros não. Se você deseja um look já pronto na câmera, dê uma lida nos nossos artigos sobre estilos:

      http://www.videoguru.com.br/picture-styles-escolha-seu-estilo-parte-1.html
      http://www.videoguru.com.br/picture-styles-escolha-seu-estilo-parte-2.html

      Agora um esclarecimento: A Pocket não vem com a versão Full do DaVinci. Ela vem com a versão Lite, que é grátis e pode ser baixada do site da Blackmagic Design sem você precisar comprar a câmera. Só a Blackmagic Cinema Camera de 2.5K é que vem com o DaVinci Full de US$ 1.000,00.

  11. Obrigado por responder!!! fico feliz com os esclarecimentos do mestre. Mais algumas duvidas, o senhor trabalha com imagens de terceiros? melhor explicando, se eu captasse as imagens, o senhor trabalharia nelas? dentro de seus honorários, é claro. A outra pergunta é mais conceitual, se o senhor fosse captar as imagens de desmatamentos, incêndios florestais, garimpos, enfim, tudo relacionado a crimes ambientais, se o senhor tivesse duas câmeras, a BMPCC (ou a BMPCC) e a 5D Mark iii, com qual o senhor captaria? não considerando o workflow, mas puramente a qualidade de imagens. Quanto ao microfone que o senhor sugeriu, incluiria um gravador externo também, ou apenas o microfone para captar melhor com usando o sistema próprio da 5D? Obrigado por sua generosa atenção.

    • Adalberto, eu trabalho para terceiros, sim. Como colorista faço várias séries para TV, documentários, comerciais, clipes musicais, curtas e longa metragens, institucionais…

      A BMPCC captaria com mais qualidade que a 5D, principalmente incêndios devido à latitude bem maior. Enquanto que a 5D estouraria o fogo, a BMPCC captaria todas as nuances. A diferença na qualidade da imagem, mesmo em modo ProRes Video é enorme. Outra vantagem é que a BMPCC é bem menor e mais leve.

      O Rode VideoMic é só um microfone para ligar na própria câmera. Mas você pode comprar o Shure VP83F que vem com gravador digital embutido. Além de ter uma qualidade sonora excelente, ele garante uma gravação melhor, também:

      http://www.bhphotovideo.com/c/product/966010-REG/shure_vp83f_condenser_shotgun_mic.html/BI/8580/KBID/9659

  12. Seguinte,quero realizar um longa com a Blackmagic em 2014,filmando em Full HD mesmo,por motivos econômicos apenas.Já li matérias prós e contras de sua autoria sobre ela,todas detalhistas e bem escritas,e fiquei em dúvida sobre os seguintes aspectos:
    – que lentes usar,dado o seu sensor,para conseguir imagens cinematográficas,e por vezes conseguir desfoque?(li que isso seria um problema)
    -quais são os acessórios obrigatórios?
    No fim das contas,ela seria recomendada ou invisto na minha DSLR?
    DEsde já agradeço,e muito.

    • Olá Roberto,
      A Blackmagic resolveu a maioria dos problemas e hoje, sem dúvida, representa um grande salto no quesito custo/benefício. O material filmado é tão bom que estão usando a BMCC até como câmera B para a ARRI Alexa em diversas produções.

      A questão do desfoque não é tão problemática quanto parecia ser. Muito pelo contrário, pois elimina o problema de se conseguir manter o objeto em foco com as HDSLRs. O desfoque é muito mais fácil que com uma câmera de vídeo tradicional e até com uma câmera de cinema Super 16mm (como as usadas em filmes como o Cisne Negro). Para obter fundos desfocados existem três truques. O primeiro é usar uma abertura grande. 1.4 até 2.8 mantém o fundo bem desfocado. Se estiver em um exterior, use um filtro de densidade neutra (ND) para controlar a entrada de luz e poder manter o diafragma aberto. O segundo é usar uma tele. Se voc6e se afasta do objeto e usa uma tele, o fundo também tende a ficar desfocado. O terceiro é o oposto. Se você tiver uma lente grande angular com macro, aproxime-se do objeto e controle o foco com o macro que o fundo ficará desfocado. Como você deve imaginar, cada situação requer uma solução diferente, mas as técnicas são as mesmas para qualquer tipo de câmera.

      Para a BMCC uma Zoom 17-50, como a Tamron 2.8 que avaliamos aqui, é uma ótima lente polivalente e cobre bem o básico.
      http://www.videoguru.com.br/resenha-tamron-af-17-50mm-f2-8-xr-di-ii-ld-aspherical-if.html
      Ela combina muito bem com a BMCC e as imagens ficam bem cinematográficas. Se você precisar de uma grande angular mais extrema, recomendo a Tokina 11-16 2.8.

      De obrigatório mesmo você só precisa de uma bateria externa e, é claro, dos drives SSD. A bateria eu recomendo a Switronix, que fabrica um modelo específico para a BMCC. Tenho uma e consigo rodar um dia inteiro normal com ela. Mas se seus horários de fimagem forem daqueles ultra longos, seria melhor você comprar uma bateria a mais. Essa segunda bateria custa um pouco mais barato, pois não precisa de um segundo adaptador. Os drives SSD mais recomendados (e que não dão problemas) são os Sandisk Extreme de 240GB e 480GB. Sendo que o de 240 é o mais recomendado dos dois. Já na parte de opcionais, acho que vale investir em um bom monitor pois o da BMCC não dá uma indicação muito boa das cores. Pessoalmente gosto muito do Ikan D5. Mas qualquer bom monitor com entrada SDI serve.

      Também recomendo um bom tripé. Se for fazer muitas tomadas “na mão”, pode valer a pena investir em uma cangalha simples. O que não vale muito a pena é gastar uma fortuna em um rig bem caro. Se você tiver a verba e um assistente, pode valer a pena investir em um follow focus.

      Creio que você ficará bastante surpreso com a melhora da qualidade da imagem em relação à sua HDSLR. A latitude da Blackmagis é enorme, e as imagens muito suaves, bastante definidas, e bem mais cinematográficas. E, na pós, a versatilidade é enorme.

      Boa sorte!

  13. Pô,que aula!Sou grato demais por seus esclarecimentos,e ja estou encomendando a minha!Bem,nao sou eu quem vai fotografar,mas nao quero Diretor de Foto decepcionado,por isso te perguntei.Obrigado mais uma vez e um grande abraço

  14. Olá Paulo,
    em fevereiro vou buscar a minha BMCC em Miami mas fique muito preocupado com o seu post falando sobre o ponto preto quando há muita luz…Existe alguma atualização para corrigir esse problema?

    • Rodrigo, só consegui reproduzir o problema na minha BMCC uma vez, quando superexpus demais apontando diretamente pro sol. Mesmo assim, foi mole de consertar no Resolve. Depois disso filmei várias fontes de luz diretamente sem problema algum. Basta expor corretamente. De qualquer forma, o problema foi resolvido na Pocket por firmware e já está prometido o conserto para a BMCC no próximo firmware, também.

  15. Olá Paulo,
    vc poderia me indicar algumas lentes “boas e baratas” para a blackmagic? Trabalho com social e publicidade. Tenho algumas lentes canon para a Mark III como a 8mm, 24-105mm, 70-200mm e 50mm e estou preocupado com o fator crop da Blackmagic, já que uma lente 24mm se tornaria praticamente uma 55mm.
    Obrigado.

    • Rodrigo, a Tamron 17-50 2.8 (sem estabilização) funciona muito bem com a BMCC. Faça uma busca que tem uma resenha dela aqui no VideoGuru. Outra lente excelente, caso você precise de uma ainda mais aberta, é a Tokina 11-16 2.8.

  16. Paulo, algo me ocorreu antes de adquirir minha Blackmagic 2 K : seria melhor ao invés dela comprar a Blackmagic 4k , já que ela tem maior resolução e sensor super 35mm ?

    • Roberto, a imagem da 2.5K é melhor que da 4K em diversos aspectos. Se a melhor qualidade da imagem é o seu objetivo, fique com ela mesmo. A 4K não é uma câmera de cinema digital, e sim uma câmera de produção digital. Ela tem 1 stop a menos de latitude, menos sensibilidade com pouca luz, e apresenta uma imagem mais suja, com defeitos de centelhamento e padrões verticais do sensor visíveis na sombra. Só porque é 4K, não quer dizer que é melhor. Tanto que que a 2.5K tem mais definição que a RED em 4K e, quando sua imagem é convertida para 4K, isso fica aparente.
      Filmar em 4K é uma tremenda dor de cabeça, com arquivos muito maiores desde a captação até a pós. Você vai precisar de uma máquina bem mais parruda, cerca de 4 vezes o espaço em armazenamento e ainda vai ter que, no final, converter para 1080p ou 2K, pois não há distribuição em 4K no momento.
      Tem muita gente que comprou a 4K achando que ia ser um upgrade e prefere a imagem da 2.5K. O próprio Grant Petty, presidente da Blackmagic, afirmou publicamente que a imagem da 2.5K é melhor. E, como você não vai poder monitorar em 4K, pode ter diversas surpresas com defeitos que não percebeu durante a pós. O centelhamento é um deles, que os usuários só percebem quando dão saída ao material final.
      Agora, se seu objetivo é ter uma câmera 4K para impressionar e vender seus serviços para os clientes menos esclarecidos, entre na fila de espera pois a 4K ainda não está disponível nas lojas e só está sendo entregue aos que encomendaram com antecedência.

  17. Mais uma vez obrigado, Paulo. De fato me iludi pela pouca diferença de preço e por conselhos errados e quase fiz a escolha errada, mas sua opinião me tirou das dúvidas

  18. Ola Paulo td bem? Acompanho seu blog aqui e curto muito. To entrando na area de cinema e tem me ajudado em muito esse seu blog, curto o seu trabalho. Mas preciso de uma ajuda urgente e só vc vai poder me ajudar. Comprei uma camera Black Magic Poket Cinema e fui testar em casa todo feliz e coloquei um cartão SDHC 8 giga e a camera acusou assim: No SD. Sabe e poderia me ajudar, se nao é esse tipo de cartão vai nessa camera? Eu to nessa duvida e vim recorrer a sua ajuda. Pode me ajudar com essa dúvida por favor Paulo.
    Nos mais obrigado e sucesso pra vc.

    • Odirlei, a câmera exige cartões bem rápidos e específicos. Aqui vai a lista da Blackmagic. Qualquer outro provavelmente não vai funcionar:

      Delkin Devices 16GB Elite SDHC UHS-I
      Delkin Devices 32GB Elite SDHC UHS-I
      Sandisk 8GB 45 MB/sec Extreme SDHC UHS-I
      Sandisk 16GB 45 MB/sec Extreme SDHC UHS-I
      Sandisk 32GB 45 MB/sec Extreme SDHC UHS-I
      Sandisk 64GB 45 MB/sec Extreme SDXC UHS-I
      Sandisk 128GB 45 MB/sec Extreme SDXC UHS-I
      Sandisk 8GB Extreme Plus 80 MB/sec SDHC UHS-I
      Sandisk 16GB Extreme Plus 80 MB/sec SDHC UHS-I
      Sandisk 32GB Extreme Plus 80 MB/sec SDHC UHS-I
      Sandisk 64GB Extreme Plus 80 MB/sec SDXC UHS-I
      Sandisk 128GB Extreme Plus 80 MB/sec SDXC UHS-I
      Sandisk 32GB Extreme Pro 95 MB/sec SDHC UHS-I
      Sandisk 64GB Extreme Pro 95 MB/sec SDXC UHS-I

  19. Parabéns pelo artigo, excelente matéria. Recentemente um diretor na qual eu trabalhei comprou essa camera, tanto a 4k e a 2k e meio e obteve resultados fantásticos na produção de videoclipe, outra coisa que realmente ouvi falar e reclamaram muito é o fato da formatação dos cartões, na qual a própria não oferece uma opção para formatação na câmera, tendo que ser formatado em um programa específico para haver segurança.

    Entre todos os reviews que eu andei lendo em relação a essa câmera percebi que ela tem potencial no entanto o WorkFlow dela é meio complexo, tanto durante a produção como é o caso das baterias quanto na pós. Inclusive encontrei um review bem bacana que vale como anexo, feito pelo pessoal do “audiovisuando” no youtube, confiram:

    https://www.youtube.com/watch?v=R-r6RmpZWBY

    Parabéns pelo post, abraços galera!

    • Amadeu, depois de ver tanta gente perder horas de gravação por ter apagado um cartão acidentalmente, eu vejo o procedimento da Blackmagic como uma vantagem, e não uma desvantagem. Dá pra filmar muito em um drive SSD, portanto não atrapalha ninguém. Algumas das melhores e mais caras câmeras de cinema digital adotam a mesma filosofia de segurança.

      Quanto a baterias, uma simples bateria externa dura o dia todo. E, mais uma vez, vale lembrar que todas as câmeras mais sofisticadas trabalham com baterias externas.

      O fluxo de trabalho na pós é até bem simples, por causa do formato de gravação ProRes que é aceito diretamente pela maioria dos programas, dispensando conversões. Mas é importante lembrar que são câmeras de cinema digital profissionais que concorrem com câmeras bem mais caras que requerem os mesmos cuidados na pós. Quem não tem a capacidade nem os recursos necessários para trabalhar com um equipamento desse nível deve procurar câmeras mais simples.

  20. Excelente seu artigo, Comprei minha BMCC, ja providenciei o SSD e estou atrás de baterias… sobre o clipping, teve alguma solução encontrada ?

    • Junior, você se refere ao cliping das altas luzes? O círculo preto? Comigo só aconteceu uma vez, quando eu forcei a acontecer de propósito apontando a câmera diretamente para o sol e super expondo a imagem. Foi só fechar um pouquinho o diafragma que sumiu. Se você expor corretamente, o problema nunca acontece. Pelo menos na minha câmera já filmei até eventos com refletores apontando diretamente para ela sem problemas.

  21. OLÁ AMIGO TUDO BEM?
    PRECISO DA SUA AJUDA.
    ÈO SEGUINTE VOU COMPRAR UMA CAMERA BLACK MAGIC 2.5 .E AGRADECERIA QUE ME AJUDASSE COM UMAS DICAS. .
    TALVES SE PUDESSE ME SUGERIR UM SITE CONFIÀVEL QUE EU PODERIA COMPRAR NUM PREÇO MAIS ACESSÍVEL

    • Domingos, não conheço nenhum lugar no Brasil que eu possa sugerir. A única sugestão que tenho é compra na B&H. Ou então procurar, na Blackmagic, quem é o representante aqui. Você pode também comprar uma de algum particular, mas isso sempre apresenta um pequeno risco.

Deixa seu comentário

GALERIA

1 4810

A interação entre ação viva e animação tem sido explorada ao longo da história do cinema, com muitos exemplos dos estúdios Disney e o inesquecível "Uma Cilada para Roger Rabbit", dirigido por Robert Zemeckis. O resultado, em geral, é estimulante. Pensando bem, a idéia...
8 5300

Esse vídeo fantástico, feito na Rússia para o lançamento de um projeto imobiliário, foge totalmente dos padrões tradicionais e utiliza a fantasia, com imagens incríveis, no lugar do uso tradicional de plantas e animações dos prédios em computação gráfica....
1 5923

Há algum tempo, publicamos um post com um vídeo do editor Piu Gomes, criado para responder a essa pergunta essencial para quem quer entender a linguagem audiovisual: o que é montagem? Também publicamos, há mais tempo ainda, outro post chamado...