Home Artigos Software Com que software de edição que eu vou?

Com que software de edição que eu vou?

Está fazendo quase três anos exatos que o Final Cut Pro X veio ao mundo, pondo fim ao desenvolvimento da sua encarnação anterior, o Final Cut Pro clássico, até então líder de mercado. De lá pra cá, milhares de profissionais no mundo todo ficaram sem rumo e sem saber que software adotar. Boa parte decidiu partir pra outra, mas muitos resolveram continuar com o FCP7, inclusive o famoso e prestigiado montador americano Walter Murch. E mesmo após todo esse tempo, com o FCP7 tecnologicamente defasado em relação aos concorrentes imediatos, essa gente ainda não se sente à vontade com as alternativas que estão dadas até agora.

Foi o que ficou patente num post no grupo de Facebook da edt. – Associação de Profissionais de Edição Audiovisual, publicado essa semana pelo montador Pedro Bronz. Ele comentava que havia recebido uma mensagem de um finalizador parceiro seu, egresso da NAB 2014, que se mostrava bastante preocupado com a falta de perspectiva para os editores que se sentem desamparados desde a descontinuação do FCP clássico. O seu amigo finalizador reclamava que logo o FCP7 poderá deixar de ser uma opção, e que, pelo que havia visto em Las Vegas, os outros programas concorrentes não estariam “convencendo” a ponto das pessoas se sentirem seguras para fazer uma transição. Ele disse ainda que havia visto a próxima versão DaVinci Resolve em ação, e que achava que não seria a saída, coisa que bate com a posição do VideoGuru, conforme artigo publicado aqui. O único programa que mantinha acesa uma certa esperança, na sua opinião, seria o Lightworks, prestes a entrar na versão 12, possivelmente aquela que poderia vingar como solução salvadora.

Aqui no VideoGuru, esse diagnóstico de alta ansiedade dos editores órfãos do FCP7 também transpareceu firmemente num outro episódio, quando publicamos nosso post de primeiro de abril de 2014, em que demos uma notícia fantasiosa, dizendo que a Apple teria decidido retomar o desenvolvimento e promover a volta do FCP clássico. Tivemos um explosão de acessos, e quando as pessoas perceberam a brincadeira, ficaram decepcionadíssimos, alguns relataram até que chegaram a ficar deprimidos com a dura realidade de que a sua antiga e querida ferramenta estava mesmo descontinuada e que nada mais mudaria isso.

A diretoria da edt. se manifestou no post do Facebook, informando que está preparando uma série de eventos para o segundo semestre, incluindo alguns para discutir a questão do presente e futuro das ferramentas de edição. Será ótimo ocorrerem eventos sobre esse tema no Brasil e no Rio de Janeiro, vai atrair bastante gente. Eles só precisam ser bem pensados e planejados de modo garantir uma isenção total da organização, sem nenhum preconceito ou predisposição para referendar um programa ou outro. O ideal seria ter a experiência dos usuários, mesclada com a de especialistas e representantes das empresas.

Uma colega editora me convidou a dizer algo sobre o tema nos comentários do post de Bronz , e acabei escrevendo um texto que achei que seria interessante compartilhar com os leitores do VideoGuru. Na minha opinião, hoje, não há como imaginar uma repetição da situação de hegemonia como a que manteve o FCP clássico no topo por tanto tempo. O momento é outro, as condições históricas e de desenvolvimento tecnológico são diferentes. Provavelmente, não teremos mais “o programa” padrão, que todo mundo usa, mas um mercado bem mais dividido e equilibrado do que antes para os próximos anos. Nesse sentido, eu diria que esses devem ser os programas que serão os protagonistas nesse novo cenário: o Avid Media Composer, o Adobe Premiere, e o Final Cut Pro X. Acompanhe em seguida uma breve análise da posição de cada um deles nesse momento e uma projeção para o futuro.

• Final Cut Pro X

fcpx

O FCPX é o programa de edição não-linear mais inovador. Editar com ele é uma experiência gratificante, desde que entendida a sua lógica. Atende bem tanto a uma pessoa com menos conhecimento técnico como os usuários mais cascudos. Já evoluiu muito, já está pronto para editar em alto nível em praticamente todos os fluxos de trabalho. Ainda não é tão bom para trabalhos em ambientes colaborativos, em que se trabalha ao mesmo tempo na mesma timeline, e ainda não é tão bom para projetos que exijam esquemas de mixagem muito complexos, com dezenas de “pistas” de áudio. Mas trabalha bem com o ProTools, começou a conversar bem melhor com o Logic Pro X, e também conversa cada vez melhor com o DaVinci Resolve. Para editar longa-metragem de modo mais confortável, é indicado para funcionar com o Mac Pro mais recente.

Não há nada igual para edição multicamera. É também o programa que tem mais espaço para evoluir nos próximos anos. É o meu programa de edição preferido atualmente. É barato, e o único que ainda é vendido apenas no modelo de licença perpétua, além do que a Apple não têm cobrado pelos constantes upgrades. Percebo o Final Cut X hoje, como uma espécie ferramenta mais pessoal, mas integrada no ecossistema de aplicativos de pós-produção, muito rápida, inteligente e intuitiva. Muito boa para trabalhos de curta e média duração, comprovadamente, em computadores comuns, como um MacBook bem configurado. Combina muito bem com um fazer solitário, como o meu.

A Apple mudou o padrão de atualizações, antes de 2 a três meses, alternando upgrades robustos com upgrades incrementais. Agora, aparentemente, inicia uma fase de ciclos de vida mais longos para cada versão. A mais recente foi no fim de 2013, o que significa que deve vir algo por agora, na ocasião do terceiro aniversário do programa, ou no máximo em setembro/outubro, quando lançarem o novo sistema operacional Mac OS X “Yosemite”. Creio que essa próxima atualização virá recheada de novas funções de edição, melhor infra-estrutura para compartilhamento, e recursos para finalização de áudio, atacando as partes que mais precisam de melhorias.

• Adobe Premiere Pro

premiere

O Premiere Pro é um aplicatívo confortável para quem está vindo do FCP7 e deseja continuar a trabalhar no paradigma clássico de edição. Evoluiu demais nos últimos anos, e a Adobe está investindo muito nos aplicativos de vídeo digital. Está perfeitamente integrado com o After Effects, Photoshop, e SppedGrade, e ainda tem o apoio de outras boas ferramentas como o Prelude, o Media Encoder, o Encore, e o Audition. Além do vácuo do FCP7, a Adobe quer ocupar o espaço do Avid Media Composer, e criou ferramentas para trabalho colaborativo, o Adobe Anywhere. É bem completo, mas me incomoda um pouco sua identidade meio híbrida e indefinida, misturando conceitos e recursos copiados ou trazidos de vários outros aplicativos.

Para funcionar bem mesmo, no fino, depende de contar placas gráficas robustas e compatíveis com o Mercury Playback Engine, mais até do que o FCPX. Pode melhorar, nem tudo está tão bem implementado. Mas, até o momento, para mim, tem se mostrado robusto e capaz de dar conta bem de praticamente todos os fluxos de trabalho. O modelo de vendas por assinatura pode incomodar a alguns usuários. Estou usando o programa nas minhas aulas na ESPM desde o início de 2014, com uma certa satisfação, eu diria. É um namoro que está dando certo. Tenho gostado, em geral, da postura da Adobe, nós últimos tempos, especialmente na minha área de vídeo digital. Devemos ter novidades no mês de junho, com a previsão de atualizações importantes nos aplicativos Creative Cloud.

• Avid Media Composer

avid_media_composer_7

O Avid Media Composer ainda é o programa mais completo e mais seguro para trabalhar em projetos complexos e em ambientes colaborativos. Se ressente de evoluir mais vagarosamente que seus concorrentes do ponto de vista tecnológico. Tem base consolidada e tende a virar uma ferramenta de nichos premium de pós-produção. Enfrenta uma incógnita que é a situação financeira da Avid e corre o risco ser vendido a qualquer momento para alguma empresa. Não se dá muito bem com o DaVinci Resolve. Tem uma curva de aprendizagem mais íngreme. Seu modelo de negócios está migrando para o sistema de assinatura, e aumentou o preço para a licença perpétua, que acabou sendo um tiro no pé.

Acho um ótimo programa. Talvez, hoje, num certo sentido, possa ser mesmo considerado o melhor de todos. Mas nunca usei no dia-a-dia (antes do Final Cut usava o Media 100), e não tenho planos para utilizá-lo, provavelmente porque não estou precisando e porque o considero meio cansativo na experiência de uso, com um certo quê de algo desnecessariamente complicado, ao menos para meu uso e meus fluxos de trabalho. Aprendi a usar, porque estudei o suficiente, não tem mistério nenhum, e se quisesse, poderia estar usando, porque está bem mais acessível e se tornou uma solução “software-only”. Mas realmente não é a minha preferência, pelo menos nesse momento.

• • •

Na realidade, eu acho que estamos até bem servidos por essas três alternativas na edição não-linear. Não levo muita fé no modelo de negócios e na possibilidade do Lightworks vingar. Mas não deixa de ser outra incógnita a ser considerada. O DaVinci Resolve não é um programa, ao menos até o momento, apropriado para edição offline. Deve evoluir para um tipo de ferramenta de acabamento, de edição online, com enfase em color grading, obviamente. Os pecezistas ainda vão falar do Vegas.

Enfim, tem espaço pra chegarem novas ferramentas, mas realmente não acho que estamos sem opções. O que falta é o povo se decidir. No meu modo de ver, o Premiere é o programa que será mais usado a curto prazo, e vai disputar o grande público com o Final Cut Pro X. Já o Avid deverá se consolidar como um programa de nicho. Acho que nesse ponto estou começando a concordar com o Larry Jordan, apostando no Premiere e Final Cut X, duas ferramentas que se completam e podem ser usadas em trabalhos diferentes. Mas, claro, o ideal mesmo, seria o editor moderno, que está no mercado, dominar muito bem as três ferramentas que destaquei, e ficar de olhos abertos para o que pode vir por aí.

Gostou do artigo ?

Inscreva-se em nossa Newsletter para receber as atualizações do VideoGuru.

Artigos relacionados
1 6109

Seguindo a tendencia de ofertar pacote de produtos na área vídeo digital, a Red Giant comercializa o Shooter Suite, que traz um conjunto de aplicativos e filtros adequados para produções profissionais. Seus componentes vão desde ferramentas para facilitar a...
0 5670

Não é novidade que o Mocha é a principal referência hoje na área de motion tracking (rastreamento de movimento). O programa já tem uma história e segue se renovando, como faz agora. E muito bem, por sinal, como vamos...
5 comentários Nesse post
  1. Post muito interessante , tenho acompanhado sempre os artigos. Fui um dos que ficaram decepcionados no dia 1º de abril com o post sobre o retorno FCP clássico hehehehehe, trabalhei até o ano passado com FCP7 gostava muito de trabalhar com ele só precisei migrar pois ele estava defasado e desde o lançamento do FCPX não gostei da aparência (como dizem parece ser o imovieX) e por algumas opiniões de outros editores decidi não utilizar ele. A 2 meses “voltei” para o Premiere me associando ao Creative Cloud e estou satisfeito com o Premiere CC, mas confesso que se houvesse um retorno do clássico FCP não hesitaria em testá-lo kkkkk, Obrigado a todos do site videoguru, Abraço

  2. Aprendi Final Cut Classico (acho que na versão 4 ou 5) com o Mestre João Velho. Fui acompanhando todos os updates até o FCP7 e quando comprei um macbook pro e fiz o upgrade pro Lion, nao consegui instalar ele mais e resolvi comprar o software (antes usava um trial) na app store e ate hoje tenho ele todo atualizado. Isso mudou minha forma de editar e tudo passou a fluir mais. No incio tive muita dificuldade principalmente por conta da velocidade, já que eu editava 2x mais rápido na versão 7. Mas com menos de 2 meses eu vi comp Ele é mais intuitivo e hoje edito com ainda mais velocidade e de forma mais eficiente. Os smart clips e multicam sao lindos, sem contar o retime tool.

    Em resumo: um passo pra trás pra dar dois passos pra frente. Super recomendo o FCPx

    • Nuno é o exemplo perfeito do principal perfil do usuário no qual a Apple está mirando com o FCPX. Um cara formado em Design, com amplo trânsito em todas as mídias, envolvido com publicidade. Lhe caiu como luva. Não é editor profissional, mas usa a edição como uma de suas ferramentas criativas no seu trabalho. A transição, para ele, foi tranqüila, porque não estava muito arraigado ao modelo anterior do FCP clássico e abriu sua cabeça para o novo modelo do FCPX. De qualquer forma, aproveito para reforçar que, pessoalmente, desconheço alguém que tenha resolvido aprender a usar o FCPX com afinco, que tenha desistido dele depois de utilizá-lo em um ou dois projetos iniciais.

  3. Realmente há muitas dúvidas…

    Até criei um tópico no fórum para solicitar ajuda.

    Tenho duas situações: no meu emprego utilizo o FCP6 com Mac Pro 2006/2007. Querem atualizar para o novo Mac Pro. E fico no dilema: é mesmo necessário? Trabalho com uma cam HDV ainda, e aí sim, estou pleiteando uma XDCAM PMW-300. Na realidade fico mais em dúvida quanto ao Mac Pro: o velho ou um novo? Mas também com o FCP: o “X” ou continuar no 7.

    Acredito que posso continuar no FCP7, sem problema nenhum para meu fluxo de trabalho, mesmo mudando para XDCAM, mas não tenho certeza absoluta quanto a isso.

    Quanto a meus trabalhos pessoas, costumava utilizar o Premiere Pro CS5, mas nunca estando totalmente satisfeito, principalmente com a aceitação de diferentes codecs, renderizações e exportações.

    Realmente trabalho com um PC bem modesto em casa, e aí o Lightworks, que estou em fase de estudos, acho que se destaca.

    Meu, qualquer coisa que é solta na time line ele aceita, saída no formato que quiser de forma muito simples, tudo sem render – nem mesmo em correções de cor – acesso as ferramentas e efeitos em diversos pontos – no clip, na janela, na borda, praticamente em todos os lugares há um acesso – cópia exata da time line com tudo que houver nela de forma rápida, tudo baseado em arrastar e soltar.

    A qualidade das correções de cores que ele oferece achei melhor que as do FCP6 e PP! Tive a impressão que corrigi mais, com mais sutileza e mais naturalidade. Bom, foi a impressão que tive.

    A dificuldade que estou tendo é que o Lwks utiliza uma interface e uma lógica – que ainda não entendi bem – completamente distinta do FCP6 e do PP, por isso há certa dificuldade em aprender, ainda mais por conta própria e sem dominar o inglês. he he he

    De qualquer forma, ainda hoje irei comprar o Lwks. $279,99, mas tenho 30% até amanhã. Acho um valor bem acessível pela ferramenta que é. E aí, comprado, será ele nem que seja na marra!

    Ps: Se alguém puder ajudar com orientações quanto a workflow XDCAM (Sony PMW-300) + Mac Pro 1.1 (2006/2007) ou Mac Pro 2014 + FC7 ou FCX, agradeço muito!

    Abçs.

  4. Sai do Adobe Premiere em 2000 na sua versão 5.1 RT para o Final Cut 1.0 Clássico, acompanhei sua evolução desde os G3 Blue até o iMac Corei5 quando migrei para o Final Cut X, Hoje estou entre o X e o Symphony 6.5.4.1 em PC e Mac. Adoro o Final Cut X por ser prático e automatizado. Quando preciso de algo mais tipo tradicional uso o Avid Symphony que gosto muito tambem. O que me fez adotar o Symphony foi o preço das estações Mac. Meu iMac comprei em 2011 custo R$ 4.400 hoje o mesmo está R$ 7.000 ai e de lascar. Hoje uso ele em rede com minhas estações Lenovo compradas por 1/3 do preço e todos i7 até um Notebook Ideapad Z400 que roda o Symphony. Gostaria que a Apple baixasse mais o preço de suas estações para possa de novo ter só maquinas Apple como tinha a 6 anos atrás. Mac Mini Power Mac G4 e G5 e Macbook. Hoje Apple tá caro demais. O Symphony ou Media Composer e meio tosco mas funciona muito bem. Se você entender bem o Boris Red você vai fazer “mizeria” nele. E não da pau. Desde que você tenha uma Quadro ou GE Force Compativel.

Deixa seu comentário

GALERIA

1 5186

A interação entre ação viva e animação tem sido explorada ao longo da história do cinema, com muitos exemplos dos estúdios Disney e o inesquecível "Uma Cilada para Roger Rabbit", dirigido por Robert Zemeckis. O resultado, em geral, é estimulante. Pensando bem, a idéia...
8 5658

Esse vídeo fantástico, feito na Rússia para o lançamento de um projeto imobiliário, foge totalmente dos padrões tradicionais e utiliza a fantasia, com imagens incríveis, no lugar do uso tradicional de plantas e animações dos prédios em computação gráfica....
1 6313

Há algum tempo, publicamos um post com um vídeo do editor Piu Gomes, criado para responder a essa pergunta essencial para quem quer entender a linguagem audiovisual: o que é montagem? Também publicamos, há mais tempo ainda, outro post chamado...