Home Notícias Edição de Vídeo E tudo ficou pra dezembro

E tudo ficou pra dezembro

Num grande anti-climax, quando todos esperavam que FCPX 10.1 fosse anunciado junto com o lançamento do novo Mac Pro no evento de hoje, a Apple deixa tudo pra dezembro. Papai Noel vai ficar de saco cheio!

Pois é, como o revolucionário Mac Pro cilíndrico só estará pronto para ser vendido nessa data, os usuários de Final Cut Pro X terão de aguardar um pouco mais pelo primeiro major update do programa.

Olhando pelo lado bom, serão dois verdadeiros presentes de Natal para nós. Já consigo imaginar o Tim Cook com a touca de Papai Noel entrando pela chaminé da minha casa.

Para não dizer que a coisa não avançou nem um pouquinho para a nossa comunidade de profissionais de vídeo digital, na apresentação de hoje da Apple, tivemos o anúncio de algumas coisas bem legais:

• O novo OS Mavericks sai hoje e ABSOLUTAMENTE GRATUITO!

• A linha MacBook Pro foi toda atualizada e baixou de preço, ao menos nos EUA, com as máquinas de 15 polegadas começando com o valor de US$1.999 dólares. O modelo mais caro sai lá por US$2.599 dólares, incluindo tela retina, 512GB de armazenamento flash PCIe, e uma placa gráfica NVIDIA GeForce GT 750M com 2GB de memória GDDR5.

• Ainda sobre a linha MacBook Pro, agora só há um modelo de 13 polegadas usando telas normais e disco rígido para armazenamento. Todos os modelos de 15 polegadas são retina com armazenamento flash PCIe.

• Os novos Mac Pro já têm preço para os modelos básicos! Conheça os valores para os EUA e Brasil (que para nossa tristeza continuam severamente majorados por impostos cruéis e uma política de preços proibitiva para os pobres mortais tupiniquins):

– Modelo Quad-core e duas GPUs com a seguinte configuração:

Processador Intel Xeon E5 quad core de 3,7GHz

Memória ECC DDR3 de 12GB, 1866MHz

Duas GPUs AMD FirePro D300 com 2GB de VRAM GDDR5 cada

256GB de armazenamento em flash com PCIe1

Preço: US$2.999 (EUA) / R$12.999 (BR)

– Modelo 6-core e duas GPUs com a seguinte configuração:

Processador Intel Xeon E5 6 core de 3,5GHz

Memória ECC DDR3 de 16GB, 1866MHz

Duas GPUs AMD FirePro D500 com 3GB de VRAM GDDR5 cada

256GB de armazenamento em flash com PCIe

Preço: US$3.999 (EUA) / R$17.499 (BR)

• Existem mais detalhes do novo MacPro nas páginas do produto no site da Apple.

Assista o vídeo da Apple sobre o novo Mac Pro, incluindo imagens do seu processo de fabricação.

No mais, da apresentação, restaram novidades para consumidores não-profissionais, com destaque para o novo modelo iPad Air, e a notícia de que o iLife e o iWork virão de graça junto com novos Macs e dispositivos móveis. Muito pouco para quem esperava tão mais.

Assista o vídeo completo da apresentação da Apple no evento de outubro de 2013.

 

Mas não há de ser nada, dezembro está logo aí, e o lançamento deve ser ainda na primeira quinzena, para não embaralhar com o período de feriados e festejos de Natal.

Pelo menos agora eu já sei qual o presente que eu vou pedir pra o Papai Noel… Já tem gente dizendo que o FCPX deve inclusive vir gratuito com o novo MacPro. Tanto melhor, dois presentes em um!

Gostou do artigo ?

Inscreva-se em nossa Newsletter para receber as atualizações do VideoGuru.

Artigos relacionados

Quatro meses depois do lançamento da versão anterior, surge o Final Cut Pro X 10.1.4. Não se trata de uma daquelas atualizações repletas de recursos novos, mas de manutenção e correção de bugs. Mas, por um detalhe, a nova versão...

Depois de  algum tempo em fase beta, o programa de edição não-linear de vídeo digital Lightworks Version 12 foi lançado oficialmente pela EditShare e já pode ser baixado para as plataformas Windows, Linux e Mac OS X. Muito se falou...
16 comentários Nesse post
  1. É… caro amigo João, como eu acabei de postar no meu FB, trata-se da lata de lixo mais cara da história. A versão de entrada do modelo com 6 núcleos começa em U$ 3999,00 com apenas 16 GB de RAM. Se o comprador quiser colocar 64 GB de RAM, disco rigido de 1TB e processador de 12 núcleos, dizem que a brincadeira (ou ousadia) vai parar nos U$ 7000,00 fácil. E isso sem nem 1MB de armazenamento fora do disco de sistema.

    Para que edita vídeo e precisa de dois ou mais sets de raid para arquivos brutos, render, cache e material exportado, vai haver a necessidade de morrer em mais uns U$ 5000,00 referentes a duas unidades externas, fabricadas por terceiros, ligadas a latinha de lixo via Thunderbolt.

    Aqui no Brasil, mantendo a tradição da Apple e agora da Sony, com a vergonha do XBox, o preço inicial da versão de 6 núcleos não será menor que R$ 24.000,00 e poderá passar fácil dos R$ 40.000,00 na configuração TOP. E isso sem os arrays de disco externos.

    Torci o nariz também para as GPU AMD. Vai na contra-mão de todos os desenvolvedores de software que estão usando a reconhecida tecnologia CUDA da NVidia em seus programas. Ou seja, vai ser muito dinheiro por uma performance mediana em certos aplicativos.

    E para finalizar, como já acontece com os Mac Book Pro, os componentes principais são soldados no triangulo das Bermudas (exceto o SSD HD e as memórias, ou seja: possibilidade zero de upgrades futuros. Pelo menos o que se salva é a possibilidade de se retirar a tampa superior e usar o troço como uma bela lata de lixo, depois do primeiro ano de uso…

    Grande abraço!

    Marcelo Ruiz

  2. Eu não estou vendo bem assim, Marcelo. Sem querer te corrigir, com cerca de US$1.500 dá pra comprar um RAID da Promise de boa capacidade com porta Thunderbolt.

    O preço do modelo básico de seis núcleos sai por R$17.500 reais, que segue a lógica da conta tradicional da Apple, ou seja, 100% de sobrepreço por conta dos impostos. Esse é mais ou menos o padrão também para os PCs de marca importados de outras empresas como a HP, até onde eu sei. A Apple ainda está longe desse novo padrão da Sony para o PS4.

    Configurações mais potentes sairão uma pequena fortuna, com certeza, mas os recursos podem valer quanto pesam para certos usuários. Temos que ver ainda como isso vai ficar com o anuncio dos valores corretos e o ganho real em benchmark para essas variações de configuração.

    As GPUs da AMD têm sido bem faladas por quem vem usando os primeiros protótipos. É compativel com OpenCL, e funciona com alguns programas fundamentais, como o Resolve. Parece que até a Adobe está providenciando a compatibilidade com esse padrão.

    Bem, ao meu ver, fora a memória e o armazenamento, apenas a placa gráfica poderia ser considerada um elemento potencialmente personalizável. E realmente parece que ela vai vir soldada. O resto é expansão, que deve seguir o padrão Thunderbolt, que é o caminho que a Apple adotou.

    Quanto à forma cilíndrica, tenho a impressão que ela se justifica por um excelente projeto de engenharia para arrefecimento de calor, e me agrada como design. Depois do primeiro ano de uso, se você não o quiser mais eu te dou uma cesta de lixo de ultimo tipo e você joga fora o seu Mac Pro cilindrico com tampa e tudo na porta da minha casa. 😉 Abs!

    • É João, mas para certos programas como o Premiere, vc precisa de drivers ou raids separados para conteúdo, cache e render e outro para receber os arquivos salvos. Caso contrário, mesmo que a CPU seja rápida e os drivers em RAID também, haverá a penalização do tempo que o processador tem que esperar a leitura, para enviar dados para gravar. Nenhum HD lê e grava ao mesmo tempo.

      Nesse caso, pelo menos para o Premiere (e para outrso programas) vc teria que comprar 3 unidades Promisse para ligar nas Thunderbolt e aí já seriam US$ 4500,00 a mais. Fora uma unidade externa de BluRay e uma leitora de cartões de memória e um dock externo para HD ou SSd, já que todas as cameras hoje usam uma ou outra mídia dessas. Aí a brincadeira passa dos R$ 30.000,00 fácil.

      Quanto ao sucateamento, precisaremos esperar pra ver quanto valera a latinha de lixo hitec usada, comprada em dezembro próximo, em dezembro de 2014. Com certeza não haverá ninguém disposto a pagar os mesmos R$ 17.500,00 concorda?

      Quanto as placas AMD, realmente desde a versão CS6 o Premiere aceita usar o render do MPE pelor elas, mas o desempenho fica muito inferior ao uso dos processadores CUDA da NVidia.

      No caso do Da Vinci Resolve, a BM recomenda até 4 GPU´s para se colorizar um conteúdo 4K, e aí tome mais coisa espetada no MAC Pro. Será preciso usar um enclosure externo para 4 PCI-E, que não está barato. E nem sei onde se vai espetar o bicho, já que a interface é via adaptador PCI-E e, pelo menos no que deu pra ver do novo Mac, não existe slot PCI-E 2.0 interno para instalar a placa PCI com o conector do cabo do enclosure. Talvez já exista até a versão dele com cabo Thunderbolt, mas eu não estou sabendo.

      Pelo menos em algumas placas-mãe para PC vc tem 3 slots PCI-E rodando a 16 e mais 1 rodando a 8 ou 4 X. E placas como a AsRock X79 Extreme 11 ainda tem de quebra uma controladora RAID independente para 8 discos SAS/SATA III fora as demais conexões SATA II e III ligadas ao chipset. Em uma belezura dessas vc pode montar um sistema com até 12 discos internos.

      Mas eu vou esperar até dezembro para ver se algum conhecido compra um MAC PRO desses para comparar o desempenho dele com uma de minhas “crianças” malvadas…

      Abraços,

      Marcelo Ruiz

      • Marcelo, penso que, no caso de programas como o Premiere, não será preciso recorrer a arrays ultra rápidos e de alta capacidade para todas as necessidades de armazenamento.

        Lembre-se que mesmo um drive simples, de um HD, rodando com a interface Thunderbolt, fica muito rápido. Talvez, no máximo disk arrays externos de dois HDs em RAID 0, mais baratos, já dariam conta do recado para cache e render, por exemplo.

        Na questão das GPUs, de repente é até saudável dar força para alternativas à NVIDIA e ao CUDA. É bom ter competição nesse mercado. Cabe aos desenvolvedores se adaptarem.

        Ainda temos que ver como essas GPUs vão funcionar na vida real. O próprio Grant Petty, da Blackmagic, já disse que o Resolve voa nelas.

        Quanto à expansibilidade, o caminho está dado para as máquinas da Apple, terá de ser via Thunderbolt. O tempo vai dizer se será viável para todas as necessidades, como a de GPUs adicionais.

        Mas eu concordo que o Mac Pro novo tem uma outra identidade, outro paradigma para esse tipo de hardware, com menor margem para personalização. Também teremos que ver no isso vai implicar em termos de obsolescência.

        Enfim, vamos esperar a máquina chegar o mercado para avaliar melhor, tanto pro lado da crítica como dos aplausos. Creio que é o mais sábio a fazer. Abs

        • Acho que a Apple está fazendo com o Cuda o que fez com o flash, apoiando a tecnologia mais aberta. OpenCl funciona tanto em placas AMD quanto Nvidia e até mesmo nas integradas. Tá usando sua força para alavancar a tecnologia aberta. A Apple, mais uma vez está usando tecnologias muito novas, que ainda são muito caras. Se vc entrar na Amazon ou no Newegg e buscar ssds pcie com mais de 1000 mb/s de leitura vai ver que beiram 1000 dólares. Já a placa de vídeo Fire Pro DX00 eu não achei nada na internet, me parece que estão esteando nesse mac pro. Então a máquina é cara por conta das opções de hardware top de linha que a Apple fez.

      • Grande Marcelo Ruiz, o “Mestre”! Sempre sábio no que diz, sem jabá e sem rodeio.
        É incrível como o povo dos MAC brigam por essa marca… Não importa o prejuízo, para eles MAC é MAC! As tecnologias novas para PC quando são lançadas dizem que não é boa assim, tem que esperar. Agora Mac nem chegou aqui e já é a TOP!
        Bem, só sei que nessa brincadeira eu sou mais as “crianças malvadas” (PC) do Marcelo Ruiz (risos…).

        Só lembrando, antigamente MAC era melhor porque usava Intel e AMD era uma porcaria. Agora AMD nos MAC’s é o “cara”! Vai intender isso…

        • Cleber, por enquanto, quem está dizendo que é top é a Apple. Nós só estamos noticiando o lançamento do Mac Pro e corrigindo informações. Depois que a máquina saír, aí será a vez do mercado e do usuário dizer se ela vale, se é melhor do que alguma outra, etc. Agora, se você quer saber, o blog é, sim, orientado para a plataforma Mac. Trata-se de uma posição editorial, fruto da vivência dos que escrevem aqui. Mas isso não quer dizer que não sejamos críticos com os produtos Apple, e nem que temos algo contra o uso de outras plataformas, temos apenas a nossa preferência.

        • Caros João e Cleber,

          Os dois não vão iniciar uma guerra por conta la latinha ok? São 2 companheiros de estrada que gosto muito. E Cleber, menos com o “Mestre”… risos, quem sou eu!. Eu entendo perfeitamente e admiro a postura aqui do pessoal do VideoGuru. Cada um tem o direito de ter suas paixões. Os dois têm razão em muitas coisas.

          Como o João falou, os usuários maduros e conscientes da Apple, apesar de serem fãs, também metem o pau. E isso é importante até para a Maça rever posições contraditórias com o que o mercado deseja. Mas existem também os fanáticos que aceitam tudo como fato, não apenas em se tratando de MAC, mas em política, religião , etc.

          Mas o que há mesmo, infelizmente, são milhares de usuários, profissionais ou não, que não conhecem o mínimo necessário que seria exigido deles para se dizem experts. Esse compram qualquer coisa e repetem como papagaios. E com certeza esse tipo de gente não está por trás do Vídeo Guru e nem do Olhartecnológico.

          Por isso já ví o João fazer muitas críticas a produtos Apple e outros. Crítica consciente e de quem sabe o que está falando. Concordo que até peguei pesado com o termo “latinha de lixo hightec”, mas além de ser meu jeito expansivo, tinha algo de brincadeira. É irresistível não fazer a comparação, pois até mesmos nos vídeos da hotpage do MAcPro, existem uma animação, em que a tampa superior do gabinete sai voando e realmente parece uma cestinha de lixo.

          Realmente teremos que aguardar, após o lançamento, os testes dos usuários. Mas algumas coisas me irritam muito em equipamentos com tecnologias proprietárias e herméticas. E não falo só da Apple. Muitos outros fazem isso com diversos produtos.

          Defendo um mundo livre onde o usuário/proprietário de algo que pagou caro, possa ter liberdade de modificar e customizar a vontade, respeitando sempre o direito de propriedade do inventor. Ou seja, se alguém resolve encher de furos a carcaça externa do novo MacBook e posta isso, dizendo que foi sua maneira de arrumar mais ventilação, sem problemas. O que não pode é o cara sair comprando Mac´s customizando com sua invenção e sair vendendo ganhando dinheiro em cima da ideia original.

          Eu só acho que é teimosia apostar, pelo menos para o mercado dos profissionais experts, em soluções toda engessadas. A solução do triângulo de dissipação de calor foi genial, mas ter soldado os componentes todos nas placas lógicas um absurdo.

          Dentro da garantia, ainda passa, pois se torrar uma GPU a Apple irá trocar sem muito custo para o proprietário. Mas e depois de um ano de garantia? Lembrando que um investimento desses deve ficar na mão dos proprietários pelo menos 3 anos para se pagar. Mas depois de finda a garantia, como em todo os Mac´s que queimam as placas lógicas ou outro componente soldado, o caminho é o desmanche e vender o restante das peças, pois o custo de compra do componente estragado beira as raias da loucura, custando quase quanto o aparelho inteiro.

          Um outro detalhe, e isso pode ser uma visão pessoal minha apenas, é o engodo de dizer: Ah! meu notebook é o mais fino, o mais leve, ou, o novo MacPro é mais potente e com um terço do tamanho. Tenho certeza que os projetistas sabem que para certas tarefas como edição de vídeo, o usuário vai precisar de duas ou mais unidades externas como a Pégasus, com alta capacidade e alta velocidade de I/O para que a máquina, como um todo, libere todo o seu potencial.

          E aí a vantagem do tamanho se perde. Para transportar tudo o sujeito precisa de 4 braços. Vai a torre da CPU, vão duas caixas de array de discos externos, as fontes dessas unidades, os cabos de extensão e mais qualquer outro penduricalho.

          Fico pensando, por exemplo a dificuldade de se instalar uma placa BlackMagic Studio 4K PCI-Express nessa máquina. Ao que me consta não existem sequer slots PCI-E vagos internos e logicamente nem espaço. Tá, mas existem outras soluções externas da BlackMagic. Tudo bem… mas o que eu faço com a minha placa recém comprada?

          E quem trabalha com áudio? Onde espeta suas interfaces de placas externas de captura? Vão inventar alguma com Thunderbolt? Provavelmente. MAs a minha que está nova? Eu vendo, perdendo parte do valor do investimento e ainda gastando bem mais para comprar a nova tecnologia Thunderbolt?

          Aliás eu ando torcendo o nariz para a Thunderbolt também. Mas isso vai ser assunto para um post no blog futuramente. Tem muita gente equivocada com o uso dela.

          Grande abraço!

          Marcelo Ruiz

          • O espaço dos comentários serve ao debate dos temas propostos pelos respectivos posts. O tema base desse post é a renovação de hardware e software de edição de vídeo profissional, que ficou postergada para dezembro.

            Realmente, não cabe muito bem aqui uma disputa de opiniões sobre plataformas. Esse não é o tema. Por outro lado, tem a ver discutir as linhas conceituais de inovação da Apple e suas consequências para o usuário.

            A Apple está propondo novos modelos e conceitos para a computação de alto nível foca para aplicações profissionais em mídias criativas.

            Não sei se isso passa exatamente por um engessamento da arquitetura interna das máquinas profissionais, mas certamente está mais distante do modelo totalmente personalizável comum na plataforma PC.

            O que ficará de personalização no modelo do novo Mac Pro deverá ser a memória RAM e o armazenamento interno. As GPUS, apesar de se mostrarem bem poderosas, parece que ficarão, a princípio, soldadas.

            O resto todo de possibilidades de configurações de expansão ficam do lado de fora da máquina, com a porta Thunderbolt. Essa solução tem aspectos positivos e negativos, e vai caber ao mercado e aos usuários saber se ela lhes é adequada e se vale a pena.

            A expansão para o lado de fora tem uma vantagem, que é a portabilidade dos equipamentos de uma máquina para outra, seja num mesmo ambiente ou de um modelo anterior para um posterior.

            Em relação à mobilidade, bem, o que é melhor, uma caixa grande e pesada, ou duas ou três caixas pequenas e mais leves? De todo o modo, ninguém fica transitando com um computador desktop de lá pra cá a todo o momento.

            Pra isso existem os laptops, e os da Apple são considerados entre os melhores, e ainda mais interessantes a partir da introdução da tecnologia Thunderbolt.

            Para onde vai a tecnologia Thunderbolt? Ela representará realmente um avanço com melhorias para nós, usuários? Não sabemos bem ainda.

            Temos que ver como vai ficar a questão dos chassis PCIe, mas já sabendo que não contarão com o mesmo throughput máximo que a tecnologia PCIe permite. Será suficiente?

            Diz a Intel que a tecnologia Thunderbolt está apenas começando e que tem um longo caminho a percorrer com aumentos de performance consecutivos.

            Eu, pessoalmente, estou adaptado e gostando da solução Thunderbolt. Mas reconheço que ela pode, no estágio atual de desenvolvimento, criar limitações para outros usuários.

            Agora, uma coisa que fica difícil para alguns de entender, é o que representa o conceito de design de hardware para a Apple. Muitos procuram reduzir esse conceito à questão estética das máquinas. Um erro.

            Design de máquina tem a ver com muito mais aspectos, bem mais profundos e inter-relacionados, que precisam ser considerados num todo.

            Para a Apple, está claro que design de máquina tem por objetivo proporcionar a melhor e mais avançada experiência de usabilidade plena, que satisfaça não apenas pelo lado da performance computacional.

            Também está claro que há diversos perfis de usuários, e que a Apple não faz, atualmente, máquina para todos eles.

            Mas essa é uma discussão meio sem fim, porque desperta paixões e até preconceitos, e que ficará melhor no espaço de um fórum, que pensamos em implantar aqui no VideoGuru em algum momento.

            Abs

  3. Entendo perfeitamente vocês, meus caros Marcelo e João. Quando disse sobre “o povo dos MAC”, me refiro as pessoas que vemos por aí (não no caso do Vídeoguru), que nem sequer procura saber o que está sendo feito. Na verdade isso acontece com processadores, placas mãe, placas de vídeo, etc. Certas “brigas” acontecem também com processadores intel e AMD. Outro dia um amigo meu que é técnico, disse que estão lançando um processador AMD que será melhor que o I7.
    Na verdade o que eu acho é que quem trabalha com produção de vídeo devia é ser melhor remunerado! O País tinha que ter uma política melhor de impostos, dando assim condições da produtora ter PC e MAC de última geração rodando seus materiais e aproveitando o que ambas tem de melhor para oferecer em seus trabalhos. Isso sim é que ia ser bom! Não ia importar se o cara gosta de PC ou MAC. se gosta de editar em Avid, Premiere ou Final Cut (que aliás é outra discussão formada). Bom o cara ter câmeras Canon, Nikon, Sony… Ter DSLR, filmadora de ombro ou não, uma Blackmagic e até uma Red. Mas isso é sonho no nosso País e é só ver no Youtube. Mal lançam uma câmera e já tem vários vídeos, imagens, testes… Mas vai procurar um nacional, feito em nossa língua? Muito difícil!

    Eu não tive e nem tenho intenção de causar polêmica. Aliás,quem sou eu para entrar em uma discussão dessa altura… Na verdade eu não tenho conhecimento e nem estrutura de trabalho igual a vocês. O que eu estou fazendo na verdade e expondo a minha opinião sobre certas “associações” de fanáticos que vemos por aí, que não é o caso de vocês. Seu gosto pessoal por plataformas Apple e FC eu respeito é notável aqui. No caso do meu grande amigo Marcelo isso é mais amplo e na verdade 75% do que faço e conheço hoje eu agradeço a ele. Conheci o Videoguru através do Blog dele e se passo por aqui é porque respeito e gosto muito, apesar de saber que muitas das coisas comentadas aqui estão fora da minha realidade financeira no momento, mas que servem muito para meu conhecimento sobre o mercado atual e novas tecnologias empregadas nos equipamentos, aproveitando para dar aquela sonhada (risos…).

    Grande abraço ao João e ao Marcelo!

    PS. Mas continuo gostando de Avid e Sony Vegas e continuo sonhando com as “crianças malvadas” do Marcelo ( as Thunderbird III ). Ainda chego lá (risos…).

    • Cleber, o espaço de debate está aberto a todos. Esse é o objetivo, trocar idéias e compartilhar conhecimento. Sua participação, como de todos os leitores, é bem vinda, e volte sempre ao VideoGuru. Abs

  4. Olá João Velho!

    Muito bom o post! Deu para dar uma ideia de que pé esta essa “evolução” da Apple: manco.

    MacPro a ser lançado, pelo que consta, com certas limitações de personalizações e incertezas quanto a seu comportamento.

    O FCPX encontra-se numa sinuca: lançaram um produto novo menos eficiente para substituir um velho mais eficiente.

    Enfim, gostaria de ter uma opinião.

    Sou de uma instituição pública (www.fiec.com.br) onde trabalho com uma Sony HVR-Z1, um MacPro 1.1 (2006!) e o FCP.

    Iremos fazer uma nova compra de equipamentos dentro de pouco tempo.

    Estou indicando a câmera Sony XDCAM PMW-200, mas estive argumentando que nosso MacPro, com o FCP Studio, apesar de velho, supre nossas necessidades, pois são apenas pequenos vídeos institucionais e de apoio didático.

    Na sua opinião, acha mesmo que valeria a pena nesse momento, de lançamento e incertezas, investir no novo MacPro e no FCPX?

    Acha que poderei ter problemas com o velho Pro 1.1 em trabalhar com os arquivos 4.2.2 a 50mbps, da Sony PMW-200?

    Desde já, agradeço por todo conhecimento dividido!

    • Maurício, a plataforma Mac vem passando por uma transição de tecnologias. Certamente, as máquinas mais novas estarão mais habilitadas para lidar com novos formatos de vídeo e versões mais recentes de alguns aplicativos. Mas isso não quer dizer que o seu Mac Pro antigo não poderá continuar na ativa trabalhando bem com certas tarefas mais simples, como a edição de vídeo e composição em níveis básicos.

      Mas em algum momento você vai precisar mudar, e se você tiver verba disponível na sua instituição, seria bom iniciar um ciclo de renovação dos seus equipamentos de pós-produção a partir da chegada do novo Mac Pro. Isso vai te dar um horizonte novo para trabalhar com mais eficiência.

      Afinal, renovar equipamentos é uma coisa natural quando se fala em setores apoiados fortemente em tecnologia digital, como a pós-produção de vídeo. Apenas atente para um questão importante. Ao passar para o novo Mac Pro, você deverá levar em consideração a necessidade de renovar ou adquirir alguns outros dispositivos periféricos, uma vez que a interface Thunderbolt traz a expansibilidade da máquina para o lado de fora, especialmente em termos de armazenamento e dispositivos de entrada e saída de vídeo.

      Quanto aos programas, é claro que o FCPX, assim como o Premiere Pro vai te atender bem melhor para trabalhar com os arquivos MXF do que o FCP7 nessas novas máquinas. São aplicativos com uma arquitetura de software mais moderna que vão lhe oferecer mais recursos e melhoria significativa de performance com um hardware atualizado.

      • João Velho,

        Muito obrigado pelos esclarecimentos!

        Sinceramente, não compreendi muito bem:

        “necessidade de renovar ou adquirir alguns outros dispositivos periféricos, uma vez que a interface Thunderbolt traz a expansibilidade da máquina para o lado de fora, especialmente em termos de armazenamento e dispositivos de entrada e saída de vídeo”.

        Considerando o fluxo em XDCAM 4.2.2, cartão SxS, e espaço para uns 4Tb de imagens, quais os periféricos são precisos?

        E João, com a vinda do FCPX, que situação esta o Final Cut Pro Studio? Há uma versão do FCPStudio “X”?

        Não sei se é da política do VídeoGuru, mas se puderem indicar fornecedores de confiança, seria de muita valia!

        Novamente, muito obrigado!

        • Maurício, se você precisar colocar algum dispositivo de armazenamento adicional, ele terá que ser um drive externo via Thunderbolt. Se precisar utilizar um monitor de referência, precisará de algum dispositivo para fazer essa saída em SDI ou HDMI.

          O Final Cut Studio foi descontinuado. Você ainda pode adquirir o Compressor e o Motion separadamente na App Store por US$50 cada. Não há previsão para algo como um FC Studio X.

          Realmente, não indicamos fornecedores. Abs

          • João,

            Hoje liguei na Apple também, mas assim como as tentativas anteriores por informações sobre o Mac Pro, é tudo muito confuso e incerto, ninguém tem muito claro como as coisas ficarão. E além disso, me informaram que até onde consta nem mesmo teclado e mouse vem. Mas tudo depende do lançamento.

            Com relação ao Final Cut Studio, nada tão direto e esclarecedor como seu comentário “descontinuado”, ponto. Apenas que teria como adquirir o Final Cut Studio ainda, e que com ele viriam as versões 7 e X do FCP. Achei no mínimo estranho.

            Somada as incertezas quanto ao custo final do Mac Pro, seus periféricos e principalmente sua real capacidade, estamos adiando a compra de tudo – Mac, FCPX, câmera e iluminação.

            Infelizmente, por se tratar de setor público, as compras devem ser muito bem justificadas e amparadas tecnicamente e qualquer motivo pode ser questionado pelo tribunal de contas. Claro, certíssimo! Qualquer incompatibilidade, conflito, funcionamento não adequado ou resultados pífios, é bucha!

            Cheguei a conclusão que aguardar um pouco mais pelos lançamentos seja o melhor no momento. Ainda mais considerando os lançamentos de outros produtos Apple com problemas, o que realmente virá nesse Mac Pro pode ser uma grande surpresa.

            Enfim, agradeço muito novamente! Suas orientações foram as mais esclarecedoras.

            E como não recordo de ter visto aqui, segue abaixo um link que talvez possa interessar a alguém, do PrimateLabs, com testes de estimativa de performance dos novos Mac Pro e comparativos entre os 2012 e o novo.

            http://www.primatelabs.com/blog/2013/11/estimating-mac-pro-performance/

            Muito obrigado!

Deixa seu comentário

GALERIA

1 5076

A interação entre ação viva e animação tem sido explorada ao longo da história do cinema, com muitos exemplos dos estúdios Disney e o inesquecível "Uma Cilada para Roger Rabbit", dirigido por Robert Zemeckis. O resultado, em geral, é estimulante. Pensando bem, a idéia...
8 5534

Esse vídeo fantástico, feito na Rússia para o lançamento de um projeto imobiliário, foge totalmente dos padrões tradicionais e utiliza a fantasia, com imagens incríveis, no lugar do uso tradicional de plantas e animações dos prédios em computação gráfica....
1 6191

Há algum tempo, publicamos um post com um vídeo do editor Piu Gomes, criado para responder a essa pergunta essencial para quem quer entender a linguagem audiovisual: o que é montagem? Também publicamos, há mais tempo ainda, outro post chamado...