Home Entrevistas Ecos do Simpósio de Pós-produção Criativa

Ecos do Simpósio de Pós-produção Criativa

De 09 a 12 de novembro, profissionais de pós-produção de cinema e vídeo voltaram suas atenções para a  Cinemateca Brasileira, durante o Simpósio A Pós-produção Criativa. Com a participação de grandes mestres de várias áreas da atividade cinematográfica, com ênfase na montagem, o evento atraiu gente de várias cidades do Brasil, e foi assistido por outras tantas através de uma transmissão por streaming.

Entre os profissionais presentes estava o editor carioca Fernando Vidor, que gentilmente aceitou o convite deste blog de contar suas impressões sobre o Simpósio, respondendo algumas perguntas sobre as palestras e o que rolou nos bastidores do evento. Aproveitamos para agradecer a contribuição do Fernando e, sem mais delongas, passamos à entrevista com ele.

VideoGuru – Em linhas gerais, como foi para você participar do Simpósio A Pós-Produção Criativa?

Fernando Vidor – Assim que ouvi falar do simpósio, fiquei muito empolgado. São raras as oportunidades para discutir montagem, além da abordagem estritamente teórica ou da operação de equipamentos. A última que eu lembro foi em 2005 ou 2006, um excelente debate na Semana ABC, com presença de Daniel Rezende, Vicente Kubrusly, Jordana Berg, e Sergio Mekler.

Outro motivo foi a presença de representantes da National Film and Television School (NTFS), de Londres e do Centro Sperimentale di Cinema, de Roma, que estão entre as melhores escolas do mundo.

Mas a razão principal foi a presença de Roberto Perpignani, Yann Dedet, Mick Audsley , Sylvia Ingemarsdotter e Eduardo Escorel, montadores que trabalharam com mestres do porte de Orson Welles, Bernardo Bertolucci, François Truffaut, Stephen Frears, Ingmar Bergman e Glauber Rocha. Entrei numa correria desenfreada para tentar entregar as edições pendentes a tempo de ir pra São Paulo e – ufa! – consegui.

VideoGuru – Na sua opinião, quais foram os maiores destaques do Simpósio, as melhores mesas, os convidados mais legais e as informações mais importantes?

Fernando – O simpósio foi dividido em oito mesas, cada uma com três palestrantes. Os temas foram o papel criativo do montador, montagem clássica versus não clássica, montagem e pós em documentário, cinematografia, restauração, som e montagem versus roteiro.

Todas foram sensacionais. A palestra sobre restauração, por exemplo, me surpreendeu. Na mesa daquela manhã, sobre cinematografia, Cesar Charlone, José Francisco Neto e Curtis Clark haviam feito considerações e impressionantes demonstrações das possibilidades da captação digital, que já pode, inclusive, ultrapassar o espaço de cor dos filmes 35mm.

Mas quando o italiano Davide Pozzi exibiu trechos de filmes de Luchino Visconti e Sérgio Leone restaurados digitalmente, a sensação foi de arrebatamento. Foi inusitado que esse dia terminasse com a frase de Lauro Escorel “se não tem grão, não tem vida”. Eu fiquei na torcida para que a assepsia digital seja apenas uma entre as texturas disponíveis para os cineastas contemporâneos.

O inglês Larry Sider, da NTFS, criador do simpósio bienal School of Sound abriu sua exposição sobre som pedindo aos presentes que fechassem os olhos e prestassem atenção aos sons, desde os muito próximos, até os distantes, usando essa experiência sensorial para discorrer sobre o quanto a representação do som é subjetiva. Mas, nesse clima propício a divagações, quando ele definiu áudio-visual como uma dança entre esses dois elementos, comecei a pensar se essa definição não se aplicaria também ao espectador.

Se é função do montador comover o espectador (no sentido de mover junto), esse movimento não seria carregar o outro nas costas ou conduzir a massa como se tange gado, mas uma dança com todas as suas variações, aproximações e distanciamentos, vigor e suavidade.

Curiosamente essa ideia remetia à mesa da véspera, em que Yann Dedet (de A Noite Americana, entre outros) dizia que “é preciso dar tempo para o espectador  se perder em seus pensamentos e voltar mais profundamente para a história” e Roberto Perpignani (O Último Tango em Paris, O Carteiro e o Poeta) atestava que “montar é confronta-se com a emoção, antes da lógica”.

Talvez Perpignani tenha feito palestra mais envolvente, contando seus quase quarenta anos de carreira numa mistura de português, espanhol, italiano, inglês e francês.

VideoGuru – Qual a importancia de eventos desse tipo para profissionais de pós-produção como você?

Fernando – As melhores ferramentas de que um montador pode dispor são um olhar original e um domínio profundo da linguagem. Ouvir as experiências dos mestres nos ensina a olhar en tous azimuts e muitas vezes uma sutil mudança de perspectiva pode não só resolver os problemas mais complicados, como abrir novos níveis de significação.

Talvez essa capacidade de re-significar o material captado seja a chave da pós-produção criativa, que era tema do simpósio.

VideoGuru – Como foi ter contato com grandes editores nos bastidores do Simpósio, entre uma mesa e outra?

Fernando – Foi um barato, deu pra trocar boas ideias com Perpignani, David Charap, Roger Critteden – o idealizador do simpósio – tanto sobre montagem quanto sobre formação, que é um ponto frágil no Brasil.

VideoGuru – É possível ter acesso às gravações das mesas de debate?

Fernando – Parece que a Cinemateca vai disponibilizar um DVD com as palestras, mas não tenho informações precisas.

VideoGuru – Você sabe se existem planos para novas edições do Simpósio? Existem eventos semelhantes fora do Brasil?

Fernando – Não sei se vão existir outras edições, espero que sim. Antes do Brasil, o simpósio aconteceu na Polônia, em Cuba, no Japão e na Inglaterra.

Veja alguns vídeos que o Fernando gravou com seu celular. Dá para sentir um pouco do clima do evento.

Na área externa da Cinemateca Brasileira, a confraternização entre os participantes, e uma difícil questão: onde ir almoçar?

No auditório da Cinemateca, onde ocorreram as mesas de debate, o publico aguarda o início de uma delas. A platéia foi pequena, muita gente inscrita, 400 no total, acabou não aparecendo. Uma pena, porque muita gente deixou de se inscrever por conta das inscrições terem se esgotado rapidamente.

A mesa sobre novas tecnologias de captação, com a participação de Cesar Charlone e Cutis Clark. Charlone conta como usou cameras de baixo custo em seus filmes mais recentes e que preferiu a exibição em digital de alguns de seus últimos trabalhos.

A exibição do filme trazido na bagagem por Curtis Clark, mostrando o resultado de sua experiência com a nova camera da Sony F65, que apresenta uma performance, em alguns aspectos, superior à película.

Valeu, Fernando! Esperamos todos que novos eventos como o Simpósio ocorram com mais frequência no Brasil e em outros países, de preferência sempre com streaming ao vivo, como foi dessa vez. O streaming é um recurso fantástico que permite a participação de pessoas de qualquer lugar do mundo, da forma mais democrática possível. Parabéns para a Cinemateca Brasileira, Maria Dora Mourão, e todos da equipe de organização do evento.

Gostou do artigo ?

Inscreva-se em nossa Newsletter para receber as atualizações do VideoGuru.

Artigos relacionados
16 10701

Há algum tempo atrás, publicamos um post falando das alternativas de importação direta de equipamentos profissionais de vídeo digital através da BH Photo Video e pelo eBay. Nessa ocasião, alguns leitores nos escreveram questionando como o Projeto de Lei 2114/2011,...
3 2839

Jarbas Agnelli é uma referencia obrigatória no audiovisual contemporâneo brasileiro. O Videoguru finalmente conseguiu que ele arrumasse um tempinho na sua agitada agenda para uma rápida entrevista. Conheci o trabalho de Jarbas quando estava fazendo pesquisas para a minha dissertação...

Deixa seu comentário

GALERIA

1 5232

A interação entre ação viva e animação tem sido explorada ao longo da história do cinema, com muitos exemplos dos estúdios Disney e o inesquecível "Uma Cilada para Roger Rabbit", dirigido por Robert Zemeckis. O resultado, em geral, é estimulante. Pensando bem, a idéia...
8 5718

Esse vídeo fantástico, feito na Rússia para o lançamento de um projeto imobiliário, foge totalmente dos padrões tradicionais e utiliza a fantasia, com imagens incríveis, no lugar do uso tradicional de plantas e animações dos prédios em computação gráfica....
1 6368

Há algum tempo, publicamos um post com um vídeo do editor Piu Gomes, criado para responder a essa pergunta essencial para quem quer entender a linguagem audiovisual: o que é montagem? Também publicamos, há mais tempo ainda, outro post chamado...