Home Artigos Software Ida e volta do FCPX ao DaVinci Resolve

Ida e volta do FCPX ao DaVinci Resolve

Agora que o Final Cut Pro X cria raízes mais profundas no mundo da edição profissional, principalmente depois do último update, muitos se perguntam: e a finalização?

O fluxo de trabalho que envolvia a ida e volta do Final Cut Pro 7 para o Apple Color fazia parte do dia-a-dia de inúmeros finalizadores, coloristas e editores mundo afora. Com a migração para o FCPX, a Apple abandonou o desenvolvimento do Color e a finalização profissional ficou prejudicada. Mas, graças à Blackmagic, o DaVince Resolve veio para resolver a situação.

Não só isso. O Resolve vem de uma linhagem extremamente nobre. Quem trabalha nesta área há algum tempo, com certeza já utilizou um dos fantásticos produtos DaVinci, considerados por muitos como os melhores para correção de cor e color grading (marcação de luz) do mundo. Só que estes eram exclusividade de poucos que podiam pagar seu alto preço de várias centenas de milhares de dólares.

O sistema completo Resolve, incluindo os painéis de controle

Entra em cena a Blackmagic, aliada de longo tempo dos profissionais de vídeo com suas maravilhosas placas de captura e monitoração. Após adquirir a tecnologia DaVinci, o fabricante resolveu democratizá-la lançando o software Resolve a um preço inacreditável: US$ 1.000,00. Se já não bastasse, disponibilizaram de graça o Resolve Lite – versão com alguns limites, porém muito capaz.

Existe ainda uma versão completa que inclui o Resolve e seus sofisticadíssimos painéis de controle por US$ 29.995,00. Essa, com certeza, dedicada às casas de pós e finalização e aos profissionais mais sérios e requisitados.

O problema era que, até pouco tempo, o caminho entre o FCPX e o Resolve era meio complicado. Mas, com a versão 8.1 do programa, tudo mudou.

Este vídeo abaixo mostra, de uma maneira bem simples e direta, como esse novo fluxo de trabalho entre o FCPX e o Resolve ficou fácil e eficiente. Superando inclusive, em muitos aspectos, a antiga interface entre o Final Cut Pro e o Color.

Realmente, agora temos uma verdadeira via de mão dupla entre os dois aplicativos. E, julgando pelas primeiras experiências, uma via bem asfaltada, com pouquíssimos buracos. Se a finalização era uma boa razão para não fazer a migração do FCP 7 para o FCPX, agora não passa de uma mera desculpa.

Vale a pena adicionar que o Resolve suporta painéis de controle de outras marcas, um pouco mais simples porém bem mais em conta, como este conjunto aqui, já com o preço do software incluído.

Para maiores informações sobre o Resolve, clique aqui. Para informações mais detalhadas, além de preço, visite o site da B&H aqui.

Gostou do artigo ?

Inscreva-se em nossa Newsletter para receber as atualizações do VideoGuru.

Artigos relacionados
1 5951

Seguindo a tendencia de ofertar pacote de produtos na área vídeo digital, a Red Giant comercializa o Shooter Suite, que traz um conjunto de aplicativos e filtros adequados para produções profissionais. Seus componentes vão desde ferramentas para facilitar a...
0 5537

Não é novidade que o Mocha é a principal referência hoje na área de motion tracking (rastreamento de movimento). O programa já tem uma história e segue se renovando, como faz agora. E muito bem, por sinal, como vamos...

Deixa seu comentário

GALERIA

1 5074

A interação entre ação viva e animação tem sido explorada ao longo da história do cinema, com muitos exemplos dos estúdios Disney e o inesquecível "Uma Cilada para Roger Rabbit", dirigido por Robert Zemeckis. O resultado, em geral, é estimulante. Pensando bem, a idéia...
8 5531

Esse vídeo fantástico, feito na Rússia para o lançamento de um projeto imobiliário, foge totalmente dos padrões tradicionais e utiliza a fantasia, com imagens incríveis, no lugar do uso tradicional de plantas e animações dos prédios em computação gráfica....
1 6187

Há algum tempo, publicamos um post com um vídeo do editor Piu Gomes, criado para responder a essa pergunta essencial para quem quer entender a linguagem audiovisual: o que é montagem? Também publicamos, há mais tempo ainda, outro post chamado...