Home Tutoriais After Effects Objetos 3D extrudados no After Effects CS6

Objetos 3D extrudados no After Effects CS6

Atendendo a uma demanda antiga de inúmeros usuários, a Adobe finalmente implementou a extrusão de elementos graficos 3D.

Faz tempo que as camadas gráficas do After Effects oferecem a opção de trabalhar no espaço tridimensional. Mas o recurso era considerado limitado, especialmente porque não permitia a geração de formas extrudadas.

Até agora, para trabalhar com grafismos tridimensionais com volume, havia a necessidade de produzir uma cena em um programa de animação e modelagem 3D e importar a animação resultante para o projeto de After Effects, ou então utilizar plugins especializados como os da Zaxwerks.

Alguns desenvolvedores também criaram “gambiarras” técnicas que obtinham a impressão de sólidos tridimensionais extrudados, mas não eram soluções completas e efetivas, apenas truques que “enganavam” o programa em certas condições.

Com o CS6 isso muda totalmente. A partir dessa versão as camadas gráficas com a opção 3D ativada incluem a possibilidade de extrusão de texto e shapes. Veja abaixo um video tutorial de Kevin P. McAuliffe, publicado no site Creative Cow, que demonstra os novos recursos do After Effects nessa área.

É preciso que se esclareça que, mesmo com o novo recurso, o After Effects sempre foi e continua sendo um programa de composição e manipulação de imagem em movimento do tipo bidimensional.

Quando trabalhamos no espaço tridimensional no After Effects, inclusive com cameras e luzes, as camadas com a opção 3D ativada funcionam como pequenos aplicativos 3D operados dentro da estrutura das camadas bidimensionais da composição.  No fim das contas, não passam de projeções bidimensionais como qualquer outra camada comum de uma composição. Nada mais são que plugins 3D incorporados aos recursos nativos do programa.

O uso de 3D em programas como o After Effects é, portanto, uma extrapolação da lógica original do programa, um hibridismo a mais que combina com a lógica híbrida mais geral do próprio motion graphics.

A composição bidimensional é a verdadeira vocação original do programa e da linguagem típica do motion graphics, cujo DNA vêm das experiências das trucas e optical printers usadas por gênios como o Saul Bass e tantos outros, quando ainda não existiam ferramentas digitais de computação gráfica.

Gostou do artigo ?

Inscreva-se em nossa Newsletter para receber as atualizações do VideoGuru.

Artigos relacionados

Lembro que me deparei com a necessidade de orientar uma aluna das minhas aulas de motion graphics na ESPM, para fazer algo parecido em um projeto de vinheta que ela tinha criado. Na época, tinha a ajuda de um ex-aluno fazendo monitoria. Quebramos...

Você já deve ter visto o efeito. O tempo parece congelar enquanto uma pessoa caminha, tranquilamente, entre as pessoas e objetos inanimados. Tom Antos explica como replicar o efeito sem gastar uma fortuna. Para realizar esse efeito especial, as produções...
2 comentários Nesse post
  1. Só uma dúvida sobre o post, isso quer dizer que se quero trabalhar com 3D, o ideal é utilizar um software específico ( cinema 4d, 3D Max … etc) seria fazer a importação disso para dentro do after?

    • Cezar, para coisas simples, o recurso de extrusão do After Effects pode dar conta. Mas para trabalhos mais sofisticados, o ideal é trabalhar com o Cinema 4D e depois exportar para o AE, que tem condições de atuar sobre a animação 3D modificando até alguns parâmetros dela.

Deixa seu comentário

GALERIA

1 4914

A interação entre ação viva e animação tem sido explorada ao longo da história do cinema, com muitos exemplos dos estúdios Disney e o inesquecível "Uma Cilada para Roger Rabbit", dirigido por Robert Zemeckis. O resultado, em geral, é estimulante. Pensando bem, a idéia...
8 5397

Esse vídeo fantástico, feito na Rússia para o lançamento de um projeto imobiliário, foge totalmente dos padrões tradicionais e utiliza a fantasia, com imagens incríveis, no lugar do uso tradicional de plantas e animações dos prédios em computação gráfica....
1 6027

Há algum tempo, publicamos um post com um vídeo do editor Piu Gomes, criado para responder a essa pergunta essencial para quem quer entender a linguagem audiovisual: o que é montagem? Também publicamos, há mais tempo ainda, outro post chamado...