Home Artigos Software Otimizando o Playback no DaVinci Resolve 10

Otimizando o Playback no DaVinci Resolve 10

O DaVinci Resolve é um dos melhores programas de correção de cor e color grading do mercado. Até relativamente pouco tempo custava centenas e depois dezenas de milhares de dólares. Graças ao generoso modelo de negócio da Blackmagic Design, agora é oferecido em uma versão gratuita e uma versão paga (que vem gratuitamente junto com algumas câmeras da empresa). Portanto, está ao alcance de qualquer um.

Isso não quer dizer, no entanto, que seja um programinha como outro qualquer. O DaVinci Resolve continua sendo um sofware de ponta, altamente sofisticado, que requer um hardware bastante parrudo para tirar o máximo proveito de seus recursos e performance. Como nem todo mundo tem acesso a máquinas assim, aqui vão algumas dicas para melhorar a performance do Resolve 10 em máquinas menos poderosas. Vale mencionar que, mesmo assim, não é qualquer máquina que roda o programa.

Vamos começar pela(s) placa(s) gráfica(s), ou GPU(s). A versão profissional do Resolve pode operar com diversas placas gráficas, o que acelera bastante o desempenho em tempo real do programa já que o processamento de imagem é feito nas GPUs. Mesmo que as placas não estejam conectadas a nenhum monitor, o programa as reconhece e utiliza seu processamento. A versão grátis do Resolve permite apenas o uso de uma placa gráfica. Mas como as placas modernas são muito poderosas, o usuário de uma ou mais placas pode também utilizar o processamento da placa dedicada à interface e aumentar a performance do programa. Para isso basta ir em Preferences > Video I/O > GPU e ativar a opção “Use Display GPU for Compute”.

O uso do programa em aplicações profissionais requer monitoração externa. Isso causa um pequeno atraso ao se acionar o playback. No entanto, se você está trabalhando em modo offline ou em um laptop (ou outro tipo de computador) não conectado a nenhum monitor externo, você pode melhorar um pouco o desempenho da máquina desabilitando o monitoramento no mesmo menu acima, selecionando NONE na opção “For Capture and Playback Use”.

davinciresolveeditpageCaso você não esteja trabalhando com material entrelaçado, o que raramente acontece com as modernas câmeras digitais, você pode ganhar um pouco mais de performance desabilitando o processamento de imagens entrelaçadas – que aplica o grade em cada campo da imagem – desabilitando a função “Enable Video Field Processing” no painel “Master Project Settings” > “Timeline Format”.

Na sessão “Video Monitoring” deste mesmo painel, você encontra a opção “Video Bit Depth”. Nela você pode escolher entre 8 bits e 10 bits. Como 8 bits gasta muito menos processamento, escolha essa opção se seu computador está apanhando um pouco do Resolve. A maior diferença que você poderá notar é o aparecimento de “bandas” nos degradês em seu monitor. A monitoração em 10 bits elimina estas. Mas a escolha de 8 bits aqui não afeta em nada a imagem final exportada pelo programa, que é sempre calculada em 32 bits.

Outro pequeno recurso neste mesmo painel para acelerar o playback no Resolve é o de selecionar a opção “Hide UI Overlays For Optimized Playback”. Quando você der Play, o programa ocultará o cursor, bordas das Power Windows, Split Screens e outros guias de trabalho durante a reprodução.

Caso você não ache necessário enviar para seu monitor de vídeo externo as imagens nos módulos que não sejam o Color, você pode de-selecionar a opção “Show All Viewers on Video Output”. Isso também deixa o computador um pouco mais rápido, caso sua máquina não seja das mais potentes.

No painel “Image Scaling” você pode melhorar um pouco a performance com placas gráficas menos potentes selecionando a opção “Resize Filter” > “Optimize For Playback”. Isso altera a qualidade da imagem toda vez que você modifica suas dimensões. Para obter a melhor qualidade final, você deve selecionar a opção “Force Sizing To The Maximum Quality” nas opções de Render no módulo Deliver.

Ainda no mesmo painel você encontra a opção “Optimize for Playback” em “Debayer Quality Settings”. Se você trabalha com imagens em RAW, o Resolve utilizará um debayer mais suave e rápido na reprodução e um mais nítido em pausa. Para exportar com a melhor qualidade possível, não se esqueça de selecionar a opção “Force Debayer Res to Higher Quality” nas opções de Render do módulo Deliver

No painel “General Options” você ainda encontra a opção “Don’t Update Interface Icons During Playback”, que também otimiza a reprodução.

Caso as otimizações descritas até gora não resolvam seus problemas de playback em tempo real, o Resolve ainda oferece a opção de fazer renders para arquivos DPX no formato Cache. Assim, em vez de ter que calcular todas as mudanças efetuadas em tempo real, o programa toca as imagens modificadas e renderizadas diretamente do HD. Para isso você vai precisar de um HD rápido. Mas é provável que já tenha, pois o mesmo que reproduz o resto do material geralmente serve para isso.

Para acessar o Cache, vá na barra de menu e selecione Playback > Render Cache. Selecione “All” para renderizar todos os efeitos ou uma das outras opções. Vale lembrar que, se a sua máquina consegue trabalhar em tempo real, é melhor deixar o Cache desabilitado (opção None). Para adicionar um clipe manualmente ao Cache, você pode clicar nele com o botão da direita do mouse e selecionar “Mark Clip For Render Cache”. Duas setas circulares aparecerão no ícone da imagem com uma porcentagem indicando o progresso do render.

Gostou do artigo ?

Inscreva-se em nossa Newsletter para receber as atualizações do VideoGuru.

Artigos relacionados
1 5613

Seguindo a tendencia de ofertar pacote de produtos na área vídeo digital, a Red Giant comercializa o Shooter Suite, que traz um conjunto de aplicativos e filtros adequados para produções profissionais. Seus componentes vão desde ferramentas para facilitar a...
0 5301

Não é novidade que o Mocha é a principal referência hoje na área de motion tracking (rastreamento de movimento). O programa já tem uma história e segue se renovando, como faz agora. E muito bem, por sinal, como vamos...
14 comentários Nesse post
  1. Oi Paulo, bem legal o artigo. Você acha que o novo macbook pro retina quad i7 com a placa iris pro da conta do recado? Eu trabalho por enquanto em 1080p mas esse ano devem pintar uns jobs em 4k. O que você acha?
    Abraços

    • Pelo que eu tenho lido, o pessoal tem recomendado o modelo antigo top. Você só faz grading no laptop? Você consegue uma performance bem melhor em um desktop, principalmente em 4K.

  2. Obrigado pela resposta!
    Meu uso principal é para edição, ainda uso o fcp 7 mas depois de muitas horas de tutoriais, finalmente vou migrar para o X, rsrs

    Na produtora onde eu trabalho vamos instalar o Resolve em um Mac Pro mas gostaria de poder levar para casa o material e fazer pequenas correções que o cliente sempre pede sem precisar sair de casa.

    Decidi pelo rMBP por achar que ele vai trabalhar melhor nos próximos 2-3 anos do que o modelo anterior em OpenGL. O FCP X deve cantar bonito, né?

    Daí entra o Resolve, ainda não opero com ele mas estou fazendo os tutoriais de maneira intensiva e imaginava que rodaria “suave” e meu maior problema seria na monitoração em casa. Tem alguma dica pra isso? Meu trabalhos seriam basicamente pra entrega em TV.

    De qualquer maneira muito obrigado!
    Abraços

    • O X é excelente. Você vai gostar. Falam muito mal dele, mas a maioria sequer experimentou.

      O Retina anterior com o máximo de memória gráfica é do que eu estava falando. Ele roda o Resolve direitinho. Já o novo não roda tão bem. Mas isso pode ou não mudar, pois se a Blackmagic achar que vale a pena, eles podem mexer no programa. Fizeram isso pro novo Mac Pro e deu certo.

      Quanto à monitoração em casa, use uma placa de vídeo Thunderbolt para alimentar um monitor de vídeo. Se o seu orçamento for baixo e você for fazer a checagem final na ilha, até uma boa TV serve (desde que esteja bem regulada). As Panasonic de plasma são excelentes, mas não estão sendo mais fabricadas em 42”. Embora eu não seja fã das TVs Sony modernas, parece que as novas LED Full, quando bem reguladas, oferecem uma imagem bem precisa.

      • É mesmo ? Que estranho, será que é por conta da nova placa gráfica do rMBP que o Resolve da problema ?

        Sobre o FCP X, eu fui estudando ele aos poucos e hoje tenho certeza de que vai acelerar muito meu workflow.

        Quanto a monitoração, estava pensando nisso mesmo que você falou, usar a tv de casa e fazer o grading final na produtora, em casa tenho uma LED da samsung muito boa. Tem alguma dica para fazer essa calibração? O que acho desse método? http://lifehacker.com/5858625/how-to-calibrate-your-hdtv-and-boost-your-video-quality-in-30-minutes-or-less
        Obrigado!

        • É por causa da placa nova, sim. Mas eu acabo de descobrir que o modelo top com a 750m roda o Resolve bem em até 2K. O problema é que ele não permite mais fazer a configuração especial com 4GB de memória gráfica, que a Blackmagic recomenda para trabalhar em 4K. Se você for trabalhar nessa resolução é bem provável que sofra alguns erros de falta de memória. No entanto, você pode trabalhar em 1/4 de resolução e isso pode dar certo. 2GB de memória RAM é o mínimo recomendado para o Resolve 10 em 2K.

          Esse método para calibrar a TV vai funcionar muito bem para você.

  3. Humm, to vendo que o grading ainda vai ter que ser na produtora mesmo. Um bom motivo pra sair de casa né? Rsrs
    Abs

      • Oi Paulo,
        Fiquei um pouco decepcionado com esse lance do novo macbook pro não rodar bem o resolve. Pelas minhas pesquisas a placa iris pro nao eh como as outras placas integradas e tem um desempenho semelhante a gt 650m, mas ela ainda nao foi testada suficientemente com o resolve e até mesmo o suporte da blackmagic está um pouco confuso com isso.
        O documento de configuracao do resolve diz que a versao de 15 polegadas de 2012 e 2013 rodam o programa mas com algumas limitacoes de real time, mas o documento ainda nao foi atualizado com as versoes do macbook pro do final de 2013.
        Minha duvida é, mesmo sem o real time funcionar 100% ainda é possível trabalhar satisfatoriamente? E a respeito do proxy, eu teria que criar eles atraves do fcp x ou atraves do resolve?
        Vi também que a versao de entrada do iMac usa essa mesma placa iris pro, alguem que tenha essa maquina pode dizer como a coisa funciona?

        Obrigado mais uma vez.

        • A versão top dele deve rodar em tempo real. Mas a Iris Pro ainda é uma incógnita.
          Os proxys são gerados pelo próprio Resolve. Tudo aconteceu automaticamente, bastando você habilitar essa função.

  4. Paulo estou querendo Comprar um Macbook pro só que sem retina, porém a placa de vídeo que vem nele é a da Intel, e me parece que o Davinci só abre com placa Nvidias Cuda, está correto ?

    Estou procurando para a autorizada trocar a placa por uma Nvídia, mas está bem complicado com o pessoal. Será que consigo rodar o Davinci nesta placa da Intel ?

Deixa seu comentário

GALERIA

1 4863

A interação entre ação viva e animação tem sido explorada ao longo da história do cinema, com muitos exemplos dos estúdios Disney e o inesquecível "Uma Cilada para Roger Rabbit", dirigido por Robert Zemeckis. O resultado, em geral, é estimulante. Pensando bem, a idéia...
8 5343

Esse vídeo fantástico, feito na Rússia para o lançamento de um projeto imobiliário, foge totalmente dos padrões tradicionais e utiliza a fantasia, com imagens incríveis, no lugar do uso tradicional de plantas e animações dos prédios em computação gráfica....
1 5976

Há algum tempo, publicamos um post com um vídeo do editor Piu Gomes, criado para responder a essa pergunta essencial para quem quer entender a linguagem audiovisual: o que é montagem? Também publicamos, há mais tempo ainda, outro post chamado...