Home Notícias Edição de Vídeo Sai o esperado update 10.0.6 do Final Cut Pro X junto com...

Sai o esperado update 10.0.6 do Final Cut Pro X junto com o novo iMac

Nessa segunda feira, estrategicamente, passados quase um ano e meio de seu lançamento e pouco mais de quatro meses do último update, a Apple atualizou o Final Cut Pro para a versão 10.0.6.

Foi um verdadeiro “Apple Day”, porque nesse mesmo dia, a empresa anunciou vários produtos de hardware de impacto: os novos iPad mini e MacBook Retina Display 13′, e uma nova geração de iMac, mais poderosa do que nunca, e ainda uma revisão do Mac mini, que também causou boa impressão.

A coincidência do lançamento do FCPX 10.0.6 e do novo iMac dá o que pensar. Ela marca um momento em que ambos atingem um estágio de desenvolvimento suficiente para serem considerados ferramentas prontas para aplicações de vídeo digital, praticamente sem qualquer tipo de restrição.

Juntos, hoje, parecem formar uma espécie de par perfeito, especialmente atraente para uma faixa de profissionais que se amplia cada vez mais para atender à óbvia e crescente demanda de conteúdo audiovisual para veiculação nos canais de TV por assinatura e, principalmente, em websites.

Esse pessoal só tem o que comemorar. Agora, com menos de US$3.000,00 (nos EUA), é possível montar uma configuração de hardware e software robusta, capaz de editar e finalizar vídeo profissional em altíssimo nível, por exemplo, em resolução de até 5K!

 

Final Cut Pro X 10.0.6.

O update já era esperado, e, aparentemente, inaugura um novo ciclo de lançamentos um pouco mais espaçados das atualizações. Sabia-se de antemão dos recursos principais que seriam acrescentados, mas o que veio de novidade foi muito mais do que havia sido anunciado antecipadamente. A lista segue abaixo:

– Edição de áudio multicanal avançada – Os canais de audio de um clipe passam a ser tratados como “audio components”, organizados de acordo como estão configurados para o clipe.

Eles podem ser expandidos em múltiplas trilhas, para serem editados individualmente direto na timeline. É possível alterar volume e pan, desabilitar ou remover trechos, aplicar e ajustar efeitos, e adicionar ou remover componentes de áudio de um clipe multicam.

Trata-se de um avanço fundamental, que pavimenta o caminho para outras melhorias na parte de áudio, principalmente um modo de visualização da timeline por “roles”, funcionando junto com um mixer multicanal.

– Dual Viwers – Além do antigo Viewer, agora também existe o Event Viewer, para visualizar exclusivamente o material original dos eventos.

A volta do modelo de dois monitores era uma das grandes reinvidicações dos usuários do FCP7. A idéia do segundo viewer é poder usa-lo para comparar e casar a cor e as ações dos clipes originais dos eventos com a sequência de edição dos projetos, exibida no viewer principal.

Cada um dos viewers também pode exibir scopes em vários modos, agora em arranjos na vertical ou na horizontal. Fiquei com a impressão de que o recurso ainda pode evoluir, a menos para incluir a função de ganging e a opção de arrastar a imagem do novo viewer para a timeline.

– Seleção de trechos de material original persistentes e múltiplos – Enfim, a Apple atendeu a outro clamor dos saudosos do FCP7. A nova versão permite criar seleções de trechos persistentes nos filmstrips dos clipes originais do painel Event Browser.

O metadado Favorite já oferecia uma excelente alternativa para guardar inúmeras seleções de trechos de um clipe, mas não é nada mal também ter seleções aparentes sobre o  filmstrip, que não se perdem de uma hora para outra com um click de mouse. O detalhe é que o recurso também permite criar várias seleções de trechos sobre os filmstrips.

Deve ajudar a vencer o bloqueio que muitos editores mais antigos têm com a interface o e o jeito de editar do FCPX. Mas é importante notar que, uma vez mais, a Apple está restituindo ao FCPX um recurso do FCP clássico, no entanto, numa implementação bem melhor do que existia antes.

– Importação unificada – É o fim de um painel para importação de material de câmera e outro para material em diretórios de dispositivos de armazenamento. Agora há apenas uma janela de importação, com áreas dedicadas para conexão de cameras e dispositivos baseados em arquivo ou fita, assim como uma nova seção Favorites, para pastas de uso mais frequente.

Foi adicionado o modo de visualização dos clipes por lista com colunas de metadados, e a possibilidade importar de seleções múltiplas de trechos de um ou mais clipes de cameras baseadas em arquivo, incluindo o iPhone ou o iPad.

Aqui entramos na categoria de refinamentos do programa, também mais do que bem vindo. Vai ficar melhor ainda quando for possível importar um ou mais trechos de arquivos armazenados em discos e cartões ao invés do arquivo todo, e, não sei como, e quando houver campos de informação do timecode de entrada e saída de cada trecho e a duração das seleções.

– Compartilhamento e exportação simplificados e com mais opções – Agora existem os “Destinations”, que são conjuntos de ajustes de exportação pré-configurados que facilitam a saída de projetos para vários formatos e opções de distribuição. O programa já vem com alguns destinations básicos que podem ser modificados, e também permite a criação de outros conjuntos de ajustes personalizados.

A interface para exportação que dá acesso aos destinations é fácilmente acionada por um novo botão na barra de ferramentas, abrindo menus e painéis intuitivos e elegantes, junto com novas alternativas de distribuição e suporte para metadados.

O processamento de exportação também ficou mais rápido, com o uso mais eficiente da placa gráfica. E, por fim, para alegria de muitos, agora é possível exportar trechos de uma sequência de edição, diretamente da timeline de um projeto, ou de um clipe no Event Browser.

Esse é mais um ítem na categoria dos refinamentos importantes, porque potencializa e torna mais ágil uma parte meio técnica e burocrática, mas necessária no processo de edição, que é quando temos que entregar o trabalho finalizado.

– Suporte para formato REDCODE RAW (R3D) nativo – A partir de agora, dá para importar arquivos RED diretamente para os eventos do FCPX, fazer ajustes não-destrutivos das propriedades da imagem em RAW, e salvar esses ajustes como metadados, sempre de dentro do Final Cut Pro.

Com isso, é possível se aproveitar das vantagens de latitude e extensão dinâmica contida nos arquivos originais REDCODE RAW. Essa era uma das outras implementações obrigatórias, que poderiam ter chegado até antes, e importante para os mercados de publicidade, dramaturgia para TV, e cinema.

No varejo temos uma lista extendida de outras novidades da nova versão 10.0.6, de peso menor, mas que também fazem o programa avançar bastante na direção de uma maturidade plena como ferramenta de edição:

• Suporte a resolução até 5K

• Marcadores de capítulos e escolha de “poster frames” para saída em DVD, Blu-ray, iTunes, Quicktime e dispositivos Apple;

• Janela “Paste Atributes” para transferir efeitos específicos e outras configurações entre clipes (fundamental!);

• Novo modo de geração de quadros congelados como clipes isolados, inclusive a partir do Event Browser, com um simples comando de menu ou atalho de teclado;

• Recursos de criação de títulos aperfeiçoados, incluindo a utilização do novo recurso de “Text Edit Marker” do Motion;

• Pontos de conexão com controle manual mais flexível, que permite deslocar, fazer trimming, slip e slide sem afetar clipes conectados;

• Nova e aperfeiçoada arquitetura de clipes compostos, que inclui a manutenção de um link atualizado entre os clipes compostos no Event Browser e na Timeline;

• Importação de arquivos MXF utilizando plugins de terceiros tais como MXF4mac e Calibrated{Q} MXF Import;

• Nova versão 1.2 do fomato XML, com suporte para mais recursos e que permite exportar metadados dentro do XML;

• Efeito Drop Shadow para clipes;

• Melhor suporte para mídia anamorfica;

• Ajuste de transição padrão;

• Cortes de múltiplos clipes superpostos com a ferramenta Blade.

Além de todos esses recursos, alguns usuários estão relatando um incrível aumento de performance no render de efeitos do FCPX de até 3.200%, e uma reprodução da timeline muito mais suave. Ou seja a arquitetura de processamento de imagem em tempo real do programa parece ter sido bastante aperfeiçoada.

Me resta cada vez menos dúvidas de que o FCPX é o programa de edição no qual se deve apostar a maior parte senão todas as fichas, nesse momento.

A Apple já comprovou que está comprometida com esse objetivo e tem todas as condições de desenvolver o programa para se tornar uma ferramenta profissional excepcional, bem mais avançada do que a concorrência em termos de interface, recursos e performance.

E o ecosistema em torno do programa, com desenvolvedores de filtros e ferramentas de compartilhamento de projeto com outros softwares de finalização de som e imagem, também já chegou a uma condição muito boa, com soluções para quase todos os tipos de necessidade.

Para não passar desapercebido, vale lembrar que, junto com o FCPX novo, como tem acontecido sempre, saíram updates para o Motion e o Compressor, contendo pequenas melhorias e correções de bugs.

 

iMac – 8ª geração

Enquanto não sai a máquina que vai substituir o MacPro, o editor pode considerar que já tem uma alternativa muito boa de máquina desktop. Com uma revisão de design incrível, o novo iMac é sensacional, sobretudo o modelo mais caro, de 27 polegadas. Conheça as principais características dele que mais interessam para o editor:

• Processador Intel quad-core i7 Ivy Bridge até 3.4 GHz;

• Placa gráfica NVIDIA GeForce GTX 680MX com 2GB de memória GDDR5, que utiliza a nova arquitetura gráfica Kepler para performance até 60% mais rápida que a geração anterior;

• Até 32GB de memória RAM configurável, em quatro slots pelo proprio usuário;

• Até 768GB de memória flash;

• Fusion Drive de 1TB ou 3TB, mesclando disco rígido e memória flash. A tecnologia joga para a memória flash tarefas recorrentes de grande impacto para o disco, tornando-as mais rápidas e eficientes. As transferencias entre o disco rígido e a memória flash ocorrem de modo automático e em segundo plano;

• 4 portas USB 3.0 e 2 portas Thunderbolt, que garantem a conexão de drives ultra-rápidos, dispositivos de captura e saída de vídeo de alta performance, monitores, conversores, adaptadores, etc.

Quando sair, o novo iMac será, provavelmente, a máquina em que o FCPX rodará mais rápido. No limite da melhor configuração, tudo isso tem um preço, que no Brasil sairá extremamente salgado, acima de R$10.000,00, com toda a certeza. Uma pena que a Apple Brasil não consiga melhorar essas margens para seus usuários.

• • •

Agora é esperar o ano de 2013, com a máquina que vai substituir o MacPro, e a versão 10.1 do FCPX. A Apple, seguindo assim, tem tudo para recuperar todo o seu prestígio entre os profissionais de vídeo digital.

Gostou do artigo ?

Inscreva-se em nossa Newsletter para receber as atualizações do VideoGuru.

Artigos relacionados

Quatro meses depois do lançamento da versão anterior, surge o Final Cut Pro X 10.1.4. Não se trata de uma daquelas atualizações repletas de recursos novos, mas de manutenção e correção de bugs. Mas, por um detalhe, a nova versão...

Depois de  algum tempo em fase beta, o programa de edição não-linear de vídeo digital Lightworks Version 12 foi lançado oficialmente pela EditShare e já pode ser baixado para as plataformas Windows, Linux e Mac OS X. Muito se falou...
19 comentários Nesse post
  1. Já considero o FCP X, o melhor programa de edição existente, e acretido que ele deva evoluir para algo que a concorrencia não consiga bater de frente. Ponto pra Apple mais uma vez.

  2. João, seus posts são excelentes. Fato! Continuem a informar assim, de forma clara e objetiva e sempre com muita polidez.
    Saudações.

    • Obrigado, Marcelo! Seu retorno é muito importante e nos enche de energia e motivação para seguir nos dedicando ao Videoguru. Abs!

  3. Olá, sabe me dizer se o Final Cut X tem saida para gravação no PDW em XDCAM com audio em 8 canais conforme a Globo pede?

    • A nova versão trouxe suporte para plugins MXF, criados e vendidos por terceiros. Um deles, promete importação e exportação em MXF, inclusive nos formatos XDCAM. É o ImEx Suite. A exportação é feita, na realidade, por um plugin de Compressor, acessado por um “destination”. Mas custa caro, infelizmente, 750 euros. A Apple está com essa política de deixar certos nichos de recursos para outros desenvolvedores, construindo um ecosistema de produtos em torno do FCPX.

      • Atualmente edito no Premiere CS6, finalizo em XDCAM HD mas ele não exporta em 8 canais, 4 preenchidos e 4 mudos. Então tenho que recorrer acreditem ao Final Cut Pro 7, coloco o mov criado no CS6 na timilene e duplico o canal de áudio e exporto direto para o gravador XDCAM da Sony. Olha só a trabalheira.

        • Existe o programinha Xto7, que pode ajudar nessa operação. Edita no X, passa pro 7, e exporta pelo 7. Mas a edição nativa em MXF XDCAM vai precisar de um dos plugins de terceiros. Para importação e edição nativa, tem opções mais baratas.

  4. Achei bem valido a visualizção dos clipes em duas janelas apesar de ter apanhado MUITO pra achar o atalho em um tutorial tosco na internet (option+Comand+3). A nova edição de áudio bem legal. Agora fiquei indignado com o novo compound clip…Antes você dava um clique duplo e lá estava todas as suas edições que você aglutinou no clip único. Agora nos seus projetos anteriores fica um clip unico como se você tivesse exportado uma edição de clipes e importado ela como um clip único sem os cortes…
    e é Irreversível, pelo menos não achei nenhuma solução ainda…
    Bolada MUUUUUUUUUUUITO fora da Apple!!!!!!!!
    No meu caso tenho vários projetos em aberto com MUITOS Compounds de trechos que ainda revisaria alguns cortes. E agora dona Apple?

    O recurso de copiar e colar os efeitos trava sempre q vc tecla o atalho criado nessa nova versão.

    Alguns recursos ainda não testei mas fico com receio depois dessas mancadas.

    Se alguem souber algum jeito de rever seus cortes nos compounds por favor me mandem um e-mail.

    PS: O site esté de parabéns, conteúdo de primeira!!!!!!!
    Algumas

    • Gregori, a partir de agora todos os compound clips da timeline exigem “parent clips” no Event Browser, e uma mudança em um compound clip pai ou afiliado afeta todos os outros que estiverem compartilhando esse vínculo.

      O que é possível é duplicar coumpound clips pais e trabalhar com diferentes versões de uma edição a partir dessas duplicatas pais e seus clipes de timeline afiliados.

      Agora, o que houve foi que, como ocorreu uma mudança de arquitetura do compound clip, projetos criados anteriormente, baseados na arquitetura antiga, estão tendo problemas com compound clips após a conversão para a nova versão do FCPX. Talvez essa seja a causa do problema que está acontecendo com você.

      Experimente criar novos compound clips na versão 10.0.6 e tente reproduzir a situação. Se o problema não ocorrer, é porque está vindo dessa incompatibilidade. Esse tipo de coisa é chato, a Apple deveria ter tido um cuidado a mais nisso.

    • Gregori, o que você tem que fazer com os Compound Clips feitos nas versões anteriores é: Selecione o compound clip, precione SHIFT + COMMAND + G (todos os itens que compoem o compound clip irá se separar (Break Apant Clip). Agora selecione todos os itens, novamente, e crie um novo compound clip (OPTION + G). Agora, sim, você terá um Compound Clip na Timeline e no Event Library.

  5. Poxa valew pela força João!

    Misteriosamente (depois de muita frustração) saí do FCP pra dar uma desencanada…de bobeira achei uma dica no FAQ do FCPX no site Apple a respeito desse BUG. Eles falam pra vc selecionar o compound, ir na aba “Clip” e clicar na opção “Open in timeline”, e funcionou…estranho q eu sem saber já tinha feito isso a primeira vez e não tinha dado certo (juro q o icone dos compounds eram IGUAIS aos dos clips da camera), dessa vez, graças as forças do Universo, cliquei e lá estavam todos os meus cortes, adjustments layers, e textos separados como eram…Ainda bem…

    De qualquer forma acho que muita coisa ainda precisa ser revisado…

    Seriam bem legal se vocês do Videoguro publicassem alguma coisa a respeito desses novos recursos, pricipalmente as seleções multiplas nos clips etc.

    Mais uma vez agradeço a atenção, e o respeito de vocês por nós editores.

    Grande Abraço João!

  6. Os amadores (como eu) tb adoram o iMac/FCP X. Produzo e edito meus videos de música e da minha familia com essas ferramentas e estou satisfeitissimo.

    • A dupla iMac/FCPX deixa profissionais e amadores satisfeitos, e isso tem tudo a ver com a filosofia escalar do programa.

  7. Alguem saberia me dizer se esta nova versao do FCPX 10.0.6 reconhece vídeos mpeg2? Se nao aceita que conversor me indicariam? Não sou editor profissional, faço videos amadores e pretendo começar a usar o FCPX.

  8. Estou fazendo uma ediçao no FCPX, porem preciso exportar partes desta edicao, e nao o video todo. Como faço para para exportar somente 5 min de um video que tem no total 2:30hs ??? Uso a versao 10.0.5 pra snow leopard. Abraços!

    • Você precisa da versão 10.0.6. Ela trouxe o recurso de exportação de trechos de projetos. Basta selecionar um trecho da Primary Storyline, e acionar o painel de compartilhamento.

Deixa seu comentário

GALERIA

1 4860

A interação entre ação viva e animação tem sido explorada ao longo da história do cinema, com muitos exemplos dos estúdios Disney e o inesquecível "Uma Cilada para Roger Rabbit", dirigido por Robert Zemeckis. O resultado, em geral, é estimulante. Pensando bem, a idéia...
8 5337

Esse vídeo fantástico, feito na Rússia para o lançamento de um projeto imobiliário, foge totalmente dos padrões tradicionais e utiliza a fantasia, com imagens incríveis, no lugar do uso tradicional de plantas e animações dos prédios em computação gráfica....
1 5972

Há algum tempo, publicamos um post com um vídeo do editor Piu Gomes, criado para responder a essa pergunta essencial para quem quer entender a linguagem audiovisual: o que é montagem? Também publicamos, há mais tempo ainda, outro post chamado...