Home Notícias Motion Graphics Saul Bass, o livro

Saul Bass, o livro

Após vários anos de espera, finalmente, em novembro de 2011, foi lançado o livro “Saul Bass: A Life In Film & Design”, sobre aquele muitos consideram o pai do motion graphics.

São 428 páginas dedicadas ao grande mestre, que consolidou a noção de abertura de cinema como algo que vai além da mera informação de quem trabalhou no filme. A partir dele, a sequencia de abertura passou a efetivamente fazer parte e iniciar a narrativa, ajudando a situar o espectador no clima e no tema do filme.

O livro tem projeto gráfico de Jennifer Bass, filha de Saul Bass e também designer, e escrito por Pat Kirkham, especialista em história do design, com prefácio de Martin Scorcese. Segue abaixo a descrição do livro:

“Este é o primeiro livro a ser publicado sobre um dos maiores designers americanos do século 20, que era tão famoso por seu trabalho em filmes como  em identidade corporativa e design gráfico. Com mais de 1.400 ilustrações, muitas delas nunca antes publicadas, e escrito pelo historiador de design Pat Kirkham, este é o estudo definitivo que os entusiastas de design e cinema ansiavam. Saul Bass (1920-1996) criou algumas das imagens mais fortes da cultura visual americana do pós-guerra.

Tendo extendido o campo do design gráfico para incluir títulos de filmes, ele transformou o gênero. Seus trabalhos mais conhecidos incluem inúmeros cartazes e sequências inesquecíveis de título para filmes como Vertigo, de Alfred Hitchcock, e The Man With The Golden Arm e Anatomy of a Murder, de Otto Preminger. Ele também criou alguns dos logos mais famosos e campanhas de identidade corporativa do século, incluindo os de grandes empresas como a AT & T, Quaker Oats, United Airlines e Minolta. Sua esposa e colaboradora, Elaine, entrou para o escritório de Bass no final de 1950.

Juntos, eles criaram uma série impressionante de premiados curtas-metragens, incluindo o premiado com o Oscar Why Man Creates, bem como uma série igualmente impressionante de aberturas de filmes, que vão desde Spartacus, de Stanley Kubrick, no início dos anos 1960, até Cape Fear e Casino, de Martin Scorsese, na década de 1990. Com projeto gráfico de Jennifer Bass, filha de Saul Bass, e escrito pela historiadora de design Pat Kirkham, que conheceu Saul Bass pessoalmente, este livro está repleto de imagens do arquivo de Bass, proporcionando uma visão profunda de um dos principais artistas gráficos do século 20.”

Assista um vídeo editado por Ian Albison, do site Art of the Title, com vários trechos de trabalhos de Saul Bass.

The Title Design of Saul Bass – por Ian Albinson

A má notícia é de que o livro, mal foi lançado, já está sem estoque na Amazon. Eu já encomendei o meu. O que você está esperando?

Gostou do artigo ?

Inscreva-se em nossa Newsletter para receber as atualizações do VideoGuru.

Artigos relacionados

Na semana do mega evento Adobe MAX 2014, conferência ocorrida de 3 a 7 de outubro em Los Angeles, California, a Adobe lançou as novas versões dos aplicativos de vídeo digital CC 2014.1, que haviam sido anuncias na IBC...
1 1449

Em um evento especial com transmissão online diretamente de Nova Iorque, a Adobe lançou o que está chamando de Creative Cloud 2014, um novo pacote de software que inclui versões inteiramente novas de 14 programas de computador, entre os quais, os mais importantes...

Deixa seu comentário

GALERIA

1 5232

A interação entre ação viva e animação tem sido explorada ao longo da história do cinema, com muitos exemplos dos estúdios Disney e o inesquecível "Uma Cilada para Roger Rabbit", dirigido por Robert Zemeckis. O resultado, em geral, é estimulante. Pensando bem, a idéia...
8 5719

Esse vídeo fantástico, feito na Rússia para o lançamento de um projeto imobiliário, foge totalmente dos padrões tradicionais e utiliza a fantasia, com imagens incríveis, no lugar do uso tradicional de plantas e animações dos prédios em computação gráfica....
1 6370

Há algum tempo, publicamos um post com um vídeo do editor Piu Gomes, criado para responder a essa pergunta essencial para quem quer entender a linguagem audiovisual: o que é montagem? Também publicamos, há mais tempo ainda, outro post chamado...