Home Artigos Hardware Tabela de equivalência de lentes por tipo de sensor

Tabela de equivalência de lentes por tipo de sensor

O tamanho do sensor de uma câmera HDSLR influencia, de muitos modos, a imagem final. Uma característica importante se refere à distância focal das lentes.

Para diminuir a confusão que isso causa, resolvemos criar uma tabela equivalente da distância focal das lentes mais comuns em quatro tipos de sensor: Full Frame (Canon 5D MkII e MK III, 6D, etc), Canon Crop 1.6 (Canon 7D, T2i, T3i, T4i, 60D, 550D, 600D, 650D, etc), Micro 4/3 (Lumix GH2, GH3, etc) e Blackmagic Cinema Camera.

As câmeras Full Frame equivalem ao padrão de uma câmera fotográfica utilizando película 35mm. Ou seja, uma lente 50mm normal tem a mesma distância focal em uma Full Frame.

Já os sensores Canon Crop, Micro 4/3 e da Blackmagic Cinema Camera têm fatores de crop diferente. Quer dizer, os sensores são progressivamente menores que os Full Frame, o que afeta a distância focal das lentes.

Para se ter uma idéia, para se obter o equivalente a uma lente 50mm em uma câmera full frame, uma câmera crop precisa de uma lente 31mm, uma Micro 4/3 uma lente de 25mm e a BMCC uma lente de 21mm.

O que isso significa na prática? Que, quanto menor o sensor, menos escolhas de lentes to tipo grande angular são possíveis, já que uma lente de 21mm, que seria uma grande angular em uma câmera Full Frame, equivale a uma 50mm na BMCC.

Como lentes do tipo grande angular são mais caras, difíceis de projetar e difíceis de encontrar, isso dá uma tremenda vantagem aos sensores full frame.  Por outro lado, os sensores menores transformam lentes normais em teleobjetivas.

Uma 250mm, por exemplo, na câmera da Blackmagic, equivale a uma 600mm em uma Full Frame.

Segue abaixo a tabela. Para simplificar, arredondamos os números para o dígito mais próximo.

Sensor Full Frame
Sensor Crop Canon
Sensor Micro 4/3
Blackmagic Cinema Camera
8mm
5mm
4mm
3mm
16mm
10mm
8mm
7mm
19mm
12mm
9mm
8mm
23mm
14mm
11mm
9mm
26mm
16mm
13mm
11mm
28mm
17mm
14mm
12mm
29mm
18mm
14mm
12mm
35mm
20mm
17mm
16mm
40mm
25mm
20mm
17mm
45mm
28mm
22mm
19mm
50mm
31mm
25mm
21mm
85mm
53mm
42mm
35mm
100mm
62mm
50mm
41mm
120mm
75mm
60mm
50mm
135mm
84mm
67mm
56mm
150mm
94mm
75mm
62mm
200mm
125mm
100mm
83mm
300mm
187mm
150mm
125mm
500mm
312mm
250mm
208mm
600mm
375mm
300mm
250mm
800mm
500mm
400mm
333mm
1000mm
625mm
500mm
417mm

Gostou do artigo ?

Inscreva-se em nossa Newsletter para receber as atualizações do VideoGuru.

Artigos relacionados
12 5151

O cinema digital nunca viveu um período tão interessante. Se a câmera de cinema digital chinesa iniciou a revolução dos preços baixos, foi a Blackmagic que venceu a corrida e lançou no mercado as verdadeiras câmeras revolucionárias. Agora...
30 6266

Eles são a última novidade do mercado. Monitores bem mais largos que o normal e que oferecem muito mais espaço para trabalhar. Além disso, são perfeitos para reproduzir filmes em formato cinemascope. Com um desses monitores você consegue praticamente o...
15 comentários Nesse post
  1. Cara vocês do video guru são o sucesso !!!!!! Muito bacana o trabalho parabéns parabéns ,,,, nota mil !!!!!

    • Por enquanto não existem lentes específicas para ela. Daí a própria Blackmagic estar lançando a versão Micro 4/3 (MFT). A vantagem desta última é que aparentemente dá para aproveitar as lentes de cinema de 16mm, como as maravilhosas Cooke e Zeiss. Isso torna possível usar algumas lentes mais abertas projetadas especificamente para 16mm. Mas não creio que as olho de peixe tradicionais estejam disponíveis para ela.

      • Ok, mas essas lentes 16mm da Cooke Zeiss vão ser uma 16mm mesmo ou vão se umas 35mm? Porque pela sua tabela seria isso se fosse comparado com uma Canon 5d por exemplo….
        Isso me confundiu um pouco…

        • As lentes vão mudar de acordo com o crop. A 16mm passa mesmo a ser equivalente à 35mm.

  2. pessoal – ai vai uma duvida, na hora de exibir o filme em uma tela de cinema , vamos dar um exemplo simples uma Canon T3I vair ter alteração de exibição em relação a 5D – isto é o fator de corte é somente a nivel focal ou atinge tambem na hora de exibição. otima tabela e sempre tive esta duvida comigo… Obrigado !

      • Paulo muito obrigado, poupou meu tempo e ir na cinemateca , fazer testes e etc… este blog e fantástico… só uma colocação – a industria vomita “novidades” como a mini Black e pelo que vemos acima não tem lentes, ou se tiver – vai custar mais caro o molho que o macarrão – que adianta comprar a camera por 999,00 e gastar 50.000,00 em equipamentos – não pareçe um contracenso? não é melhor conhecer, explorar, fuçar , ser criativo com que já temos no momento? tenho uma Canon D6 e uma T3I – ( e uma Panasonic 160) que me cobrem em todos os jobs. Por que senão vira o samba do criolo doido e não se para mais de comprar. acho que é isso que eles querem , não ??? – Ah e o cliente não esta disposto atualmente a pagar por tanta tecnologia e detalhes que somente nós conhecemos.

        • Jean, a melhor ferramenta que existe é a que nos ajuda a fazer um bom trabalho. Se as suas câmeras atendem bem às suas necessidades e seus clientes estão contentes com o seu trabalho, é isso que importa. E, é claro, que você use ferramentas adequadas à fatia de mercado na qual atual. Uma T3i é fantástica para diversos usos, mas certamente não seria ideal para filmar um longa de alto orçamento. Por outro lado, tem casos onde o DV ainda é muito utilizado e cumpre seu papel com bastante dignidade.

          Existe uma verdadeira batalha pelo nosso rico dinheirinho, com inúmeros lançamentos acontecendo a cada momento. Se formos ficar trocando de equipamento toda hora só porque saiu uma novidade, no fundo acabamos trabalhando para os fabricantes, e não para nosso sustento. Embora eu seja um adepto da tecnologia, gosto muito de medir a real necessidade de investimento baseada no mercado de trabalho no qual estou posicionado. É simples bom senso de negócios. Nosso objetivo é ter lucro. Se temos o luxo de poder trocar de equipamento toda hora e obter lucros com ele, faz todo sentido. Mas comprar tudo o que sai de novo só para satisfazer a necessidade de dizer que tem o equipamento “do momento” em um mercado de orçamentos reduzidos é receita para viver apertado ou falir.

          Além do mais, vivemos um momento muito ruim no sentido de que as pessoas acham que o equipamento é que gera bons resultados. Na verdade, são os profissionais por trás do equipamento que são os responsáveis pela qualidade, e não o equipamento em si. De nada adianta um equipamento de primeira se o operador não sabe o que está fazendo. O equipamento se transforma em um mero “brinquedo”, gerando produtos “de brincadeira”.

          As pessoas assistem vídeos na internet filmados com determinada câmera, por um diretor de fotografia talentoso e altamente capacitado e acham que, se comprarem a tal câmera, produzirão imagens idênticas. E você vê pessoas sem a mínima experiência ou treinamento se colocando à venda no mercado como “diretores de fotografia” só porque compraram a tal câmera. Na verdade, sempre foi o contrário. O profissional aprendia, comprava um equipamento mais simples e, conforme fosse ganhando mercado e se aprimorando, comprava equipamentos mais sofisticados, correspondentes ao seu nível de conhecimento. Mas a democratização do equipamento está criando essa distorção pois qualquer um, hoje em dia, pode ter um equipamento profissional. Só que poucos sabem usá-lo.

          Portanto, não sinta nenhuma pressão em comprar equipamento nenhum se não houver uma real necessidade. Se suas câmeras atuais lhe servem bem, vá trabalhar e seja feliz!

  3. Muito bem Paulo – mais bem colocado que viver de “novidades” é impossivel – meu nicho é produzir filmes institucionais a “pequenas” e medias para grandes empresas, onde o tratamento é direto , sem agência – algo pouco explorado. voce conversa com o dono ou no minimo com o responsavel de MKT. com este equipamento – tá até sobrando Paulo, pois sempre digo – este cliente não faz a menor ideia do que é vídeo – nós é que temos que conduzi-lo e entregar um bom trabalho – aceitavel. Pois ele tambem por não conhecer, nivela por baixo e não quer nunca pagar o que vale, então ele vai receber o que paga, sempre com qualidade, mas com o padrão tecnologico a altura do que esta pagando. – Eu acho inclusive que o mercado publicitário tambem esta mudando e ficando com este contorno. E não adianta voce falar que tem uma Red ( ele vai pensar que é RED LABEL – rsss) Blackmagic ou o que seja – ele quer tão somente um vídeo onde mostre sua empresa e sua planta industrial – simples assim. Sendo assim , um pouco de criatividade e experiencia entregam um produto onde posso dormir sossegado. O dia que eu tiver um edital de uma produção cinematografica ( é dificil hein ??) ou comercial – que já aconteceu, alugo todo o equipamento e embuto no orçamento. enfim produtividade e lucro como o amigo disse são as palavras do dia – num mercado cada vez mais afetado, pelo menos em terra Brasilis – porque simplesmente é “superfluo”…uma empresa sobrevive sem um video ou um comercial, usa da ultima campanha – as grandes contas ( copa do mundo e cervejarias) estão na mão de poucos privilegiados. Um grande abraço !

    • Yann, você está lendo a tabela ao contrário. Para se obter uma lente equivalente ao tamanho da full frame, você precisa de uma lente com maior abertura. O texto explica isso. Todo mundo pode errar, e agradecemos quando os leitores nos avisam de algum deslize. Mas, antes de sair criticando como um “erro grosseiro”, seria melhor você ler direito o texto.

  4. Olá, Mestre Paulo. Sou fã do seu trabalho!!!

    Paulo, tenho uma canon 60d e estou começando a produzir alguns clipes músicais. O problema é que tenho uma 50mm, e com o crop da minha camera tenho dificuldades em ambientes pequenos. Estou há 2 semanas pesquisando uma no aquisição, a Samyang 14mm t3.1. Minha dúvida #1 é sobre a abertura t3.1, ela mudará levando em consideração sobre minha 60d ser cropada? #2 Consiguirei uma boa separação de planos na profundidade de campo. #3 Serei prejudicado quanto a falta de luz. Me desculpe se faltou expressão técnica Mestre. Gostaria muito de sua opnião e se me recomendaria outra lente. Um abraço.

    • Binho, a Samyang é uma lente muito boa. Pode comprar sem medo. Quanto à abertura, t3.1 é a abertura real, medida através da lente. Ela equivale a muitas lentes f2.8. Toda vez que você vê a letra T na frente da abertura significa a abertura real enquanto que a letra f significa abertura calculada, que pode variar para cime ou para baixo na prática. As boas lentes de cinema vem calibradas em t-stops.

      O fato da sua lente não ter sensor full frame não infuencia em nada a quantidade de luz admitida pela lente. Quanto ao desfoque, as grande angulares têm, naturalmente, mais profundidade focal. Se deseja desfocar o fundo você pode se aproximar mais do objeto filmado e/ou usar a abertura máxima da lente. Mas, de regra, quando mais você vai se aproximando das teles, mais desfocado ficará seu fundo. 3.1 proporciona uma ótima claridade, portanto dá para filmar com pouca luz.

      Falando nisso, hoje em dia virou mania filmar com nenhuma luz ou pouca. Mas se você deseja imagens boas, deve passar a utilizar boas luzes e, se não souber, aprender a iluminar. Os bons filmes muitas vezes parecem não usar luzes, mas você ficaria surpreso com a quantidade de luzes utilizadas. O uso de luzes vai melhorar mais a sua imagem do que qualquer outro upgrade que você possa vir a fazer.

Deixa seu comentário

GALERIA

1 5129

A interação entre ação viva e animação tem sido explorada ao longo da história do cinema, com muitos exemplos dos estúdios Disney e o inesquecível "Uma Cilada para Roger Rabbit", dirigido por Robert Zemeckis. O resultado, em geral, é estimulante. Pensando bem, a idéia...
8 5588

Esse vídeo fantástico, feito na Rússia para o lançamento de um projeto imobiliário, foge totalmente dos padrões tradicionais e utiliza a fantasia, com imagens incríveis, no lugar do uso tradicional de plantas e animações dos prédios em computação gráfica....
1 6250

Há algum tempo, publicamos um post com um vídeo do editor Piu Gomes, criado para responder a essa pergunta essencial para quem quer entender a linguagem audiovisual: o que é montagem? Também publicamos, há mais tempo ainda, outro post chamado...